Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Sporting é a paixão que nos inspira. Não confundimos competência com cultos de personalidade. 110 anos de história de um clube que resiste a tudo e que merece o melhor e os melhores de todos nós. Sporting Sempre

23
Fev17

Sporting.jpg

 

Desde que me lembro que sou do Sporting. Nunca passei por nenhum período de indecisão. Não me lembro de nenhuma indefinição angustiante. Não me recordo tão-pouco de nenhuma tentativa de qualquer familiar meu em me converter ao rival Benfica, e não são poucos os meus que apoiam essa instituição (apesar da preferência pelo Sporting, apesar de tudo, prevalecer no total). Simplesmente, aceitei o meu sportinguismo como um factor inato, intrínseco ao meu ser. A naturalização deste sentimento é de tal ordem que, ainda hoje em dia, só consigo abanar a cabeça de espanto quando ouço professar amor igual por outros clubes. Parte de mim reconhece a aleatoriedade da preferência clubística. Outra parte não consegue perceber como se pode ser de outro clube que não o Sporting. Havendo Sporting, como tributar apoio e dedicação a outros emblemas? O Sporting é o Sporting, o resto é paisagem. Poderão ter mais títulos que o Sporting; poderão ser financeiramente mais pujantes que o Sporting; poderão até ser mais prestigiados que o Sporting. No entanto, o Sporting somente se vive… ou não, como reza a derradeira parte da epígrafe deste blog.

 

Em 2000 e em 2002, recordo-me bem da apoteose em que vivemos com aqueles dois campeonatos, o primeiro inesperado, o segundo mais expectável, mas não menos espectacular. O Sporting demonstraria, uma vez mais, a sua inequívoca dimensão nacional e internacional. Recordo-me de o meu avô e a minha mãe me dizerem, comovidos, em 2000, que tínhamos quebrado um jejum de 18 anos. 18 anos são quase 2 décadas. Não dariam então a impressão de eternidade que hoje teríamos de um período temporal semelhante, aceleradíssimos e crivados de informações como estamos. Ainda assim, era demasiado tempo sem vencer o título máximo de futebol em Portugal. Ao contrário do que se poderia supor, nunca me incomodei com tal. Para mim, era uma naturalidade absoluta. Que se lixassem os 18 anos: eu era campeão aqui e agora! Mais tarde, apercebi-me de que não era por não ter passado integralmente por esses 18 anos que me tinha feito então pensar assim. Tinha sido o amor genético ao Clube que, recém-robustecido com um longamente aguardado título, só poderia frutificar e instalar-se-me irremediavelmente cá dentro. Isso não significa que não queira sempre ganhar. Claro que quero! Como amante de desporto, reconheço a inevitabilidade do empate e da derrota, mas só me dou por satisfeito quando ganho ou, alternativamente, quando tudo faço para ganhar.

 

Dito isto, o Sporting é demasiado grande. O Sporting tem uma massa adepta fidelíssima, dedicadíssima e vastíssima. O Sporting é uma das grandes instituições portuguesas. Um dos maiores Clubes europeus. O Sporting é eterno. Poucas coisas mexem tanto comigo como o Sporting.

 

Como posso ficar senão desalentado quando para ele olho e constato que, não só não ganha, como continua a insistir em não apostar nos meios que conduzem à vitória?

 

Como posso ficar senão desapontado quando para ele olho e constato que os erros e as fracturas de antigamente se reproduzem quase por geração espontânea?

 

Como posso ficar senão desiludido quando para ele olho e constato que continuamos iludidos pela feira de vaidades que marca o dia-a-dia do Clube?

 

Como posso ficar senão desalentado quando para ele olho e constato que assistimos ao reescrever da história recente, onde a antiga encarnação do Diabo em figura de gente se angelicou repentinamente?

 

Como posso ficar senão desapontado quando para ele olho e constato que se desperdiçaram 4 anos, intervalo temporal dotado de condições únicas para recatapultar o Sporting para uma posição de destaque do futebol português?

 

Estamos mais competitivos? Estamos. Ganhamos mais? Não. Temos mais influência nas instâncias decisórias do futebol em Portugal? Não. Somos mais respeitados no geral? Não. Financeiramente estamos mais coesos? A despeito da narrativa soteriológica, não.

 

O que mudou, então? A resposta é nada. O Sporting perdeu a hegemonia do futebol em Portugal em 1958, com o primeiro título ganho no velhinho Alvalade, o 8º em 12 anos, coincidentemente o ano em que os violinos sobreviventes, Vasques e Travassos, penduraram as botas, encerrando um capítulo de ouro na nossa centenária história e marcando indelevelmente uma era do futebol português. O Sporting deixou de ser a sombra persistente do rival Benfica nos anos 80, com a ascensão incomensurável do Porto. Adquiriu o estatuto de 3º Grande. Os seus méritos no futebol começaram a desviar-se para os sucessos no futebol de formação e no contínuo (posto que substancialmente reduzido a partir de 1995) amealhar de títulos nas modalidades. À semelhança de muitos outros projectos, o Sporting vive sempre na ânsia de restaurar uma glória antiga, um velho brilho que nos apaixona e nos mantém presos.

 

O maior problema do Sporting parece-me ser esse. Para além da crença num Redentor de pés de barro, a voracidade pela recuperação de um passado irremediavelmente passado. Enquanto nos contentarmos com as mesmas caras, as mesmas tricas, as mesmas intrigas, as mesmas políticas, as mesmas pessoas, as mesmas tretas do costume (perdoem-me o vernáculo), viveremos de um passado inatingível. Enquanto não entrarmos de vez no século XXI, não deixaremos de ganhar apenas circunstancialmente. Enquanto não transfigurarmos o Sporting de instituição passadista e acomodada (o actual Presidente, tendo dado um abanão, conseguiu acarneirar a maioria, num processo muito análogo ao que sucedia num passado não tão antigo assim…) em instituição moderna e pujante, continuaremos a ser o 3º Grande. Em suma, enquanto não encararmos o passado como tribuna de respeito e admiração, mas não como paradigma para o Clube, continuaremos a adiar-nos. Faltará cumprir-se o Sporting!

 

SPORTING SEMPRE

Autoria e outros dados (tags, etc)

22
Fev17

Investimento

por Ivaylo

1 (1).jpg

 

Quando se fala de investimento, podemos considerar a visão económica – mais clássica e restritiva – que o apresenta como a aplicação de capital em meios de produção para aumento de capacidade produtiva, ou podemos considerar também uma visão mais genérica que o apresenta como qualquer aplicação de capital que vise a obtenção de rendimentos futuros. Nesta segunda, mais genérica, incluem-se financiamento (em que o investidor obtém juros como ganho) e patrocínio (ou outras formas de publicidade em que o investidor obtém “imagem” como ganho).

 

Da mesma forma, o termo investidor poderá ser visto de forma mais ampla. Alguém interessado em entrar no capital social de uma empresa é um investidor, alguém interessado em emprestar dinheiro a uma empresa é um investidor e alguém interessado em patrocinar uma empresa – com o objectivo de “alavancar” a sua imagem com a notoriedade da empresa – é um investidor.

 

Recentemente foi notícia que o candidato à presidência do Sporting, Pedro Madeira Rodrigues, fez uma viagem ao Médio Oriente com o objectivo de encontrar investidores. Desde logo uma ideia inteligente e avisada, pois não só é consensual que em Portugal não existe actualmente capacidade de investimento como são também sobejamente conhecidos os excedentes de liquidez que proliferam naquela região do globo. Como, infelizmente, já vem sendo hábito por parte dos peões habituais tenta-se minimizar o potencial do acto. Habitualmente por o acto não ter sido praticado por Bruno Carvalho, como se o valor de qualquer acto viesse de quem o pratica e não do seu conteúdo.

 

Em primeiro lugar, não manifestando de todo o que deve ser a elevação de um Sportinguista, a linguagem utilizada é tudo menos imparcial, objectiva e “profissional”. Começa por se acusar um candidato à presidência do Sporting Clube de Portugal de ser xenófobo, uma infâmia que deveria cobrir de vergonha qualquer Sportinguista digno. Usam uma expressão utilizada por Madeira Rodrigues sobre os “supostos” investidores russos que Bruno Carvalho tinha prometido, que recordemos eram pessoas cujas actividades e ligações não eram as mais transparentes. Tal como as contrapartidas negociadas, bem vistas as coisas, não os distinguiam muito de outros Fundos de Investimento que foram mais tarde condenados pelo próprio Bruno Carvalho.

 

Em segundo lugar, critica-se a busca por investidores além-fronteiras. Como dito em cima, é um óbvio imperativo pois dentro de Portugal nem para uma Instituição Financeira como o Novo Banco ou o Banco Comercial Português se consegue constituir capital luso, quanto mais para investir num clube desportivo… Revelando a costumeira parcialidade critica-se, quando Bruno Carvalho encontra parceiros (alegadamente) na Guiné Equatorial elogia-se…

 

Em terceiro lugar, tenta lançar-se o medo com declarações enviesadas sobre a possibilidade de perca da maioria da SAD com acusações ignóbeis de que o candidato «anda a vender o clube». Salientar à partida que nas declarações de Pedro Madeira Rodrigues sobre o périplo no Médio Oriente foi sempre mencionado o objectivo de naming para a Academia de Alcochete. Mais uma vez, BC promete é bom, PMR tenta concretizar é mau. Ou seja, não foi referida por ele qualquer intenção de que esse investimento fosse canalizado para o capital social da SAD. Para além disto, recordar quem de facto «anda a vender o clube», pois em Novembro de 2016 é divulgada a entrada de “novos investidores” num aumento de capital de 18M€ que deixa o Sporting no limiar da maioria da SAD. Será intelectualmente honesto considerar que um copo transborda pela totalidade de líquido no seu interior, não apenas pela última gota. Ao dia de hoje continua a não ser público quem são os “novos investidores”. Em Novembro é também esclarecido que a Holdimo de Álvaro Sobrinho detém 29,85% da SAD Leonina.

 

Fica a questão para Bruno Carvalho: estes 18M€ não vão também «parar à Banca»?

 

Em quarto lugar é apresentada uma imagem da “futura” estrutura accionista num cenário de não recompra dos VMOCs. Tenta-se preparar a opinião pública verde e branca para esse cenário? Esse cenário simplesmente nunca se poderá tornar realidade! Com a actual Direcção, que até ao momento apenas “amealhou” 3M€ para fazer face a essa necessidade futura, talvez, pois como já tinha dito antes o “amealhanço anual” deveria ser na ordem dos 10M€. É por aqui que se poderá «vender o clube» e não em fazer o que um gestor competente deve – procurar alternativas de financiamento da operação.

 

Terminar comentando apenas que estou curioso em ver como se referirá o peão habitual à proposta de Bruno Carvalho sobre o naming do Estádio. Para já afirmam que a sugestão de Pedro Madeira Rodrigues é demagógica, por ele afirmar (obviamente) que terá de levar a proposta a Assembleia Geral.

 

P.S.: o outrora “anti-Cristo” – José Maria Ricciardi – agora desfaz-se em elogios…

Autoria e outros dados (tags, etc)

21
Fev17

mais-menos-orgulhosamente-sos.jpg

 

 

Estamos a chegar ao final de uma campanha que é um autêntico case study. Nunca na vida do Sporting se debateu tão pouco o futuro e o presente do Clube e da SAD em detrimento da vida e da personalidade dos candidatos.



Esta forma de fazer campanha é sintomática do estilo aplicado nos últimos anos. Desde 2011 que o Sporting se começou a fraturar internamente. O Sporting é hoje um clube altamente dividido, sem poder e completamente à deriva e à mercê de investidores desconhecidos e dos devaneios de um Presidente que assumidamente dividiu para reinar e construir uma carreira e claro uma carteira.



Mas vamos navegar pelos três universos que vão a votos. Presidente e equipa, Mesa da Assembleia Geral e Conselho Leonino. Se para a presidência a luta começa a ganhar contornos de ser mais disputada que há semanas passadas, as candidaturas para a Mesa e para o Conselho Leonino podem ser uma grande surpresa.



Marta Soares é para uma grande maioria um dos piores Presidentes de sempre, a par com Eduardo Barroso. Ambos bailarinos e bipolares, navegam mediante interesses próprios e até obscuros como foi explicado por Daniel Sampaio numa entrevista que deu há uns anos.



Marta Soares não sabe nem quer saber. Tem uma atitude que roça até o nível saloio e não compreende os estatutos, que curiosamente, é o presidente do órgão que os deveria obrigar a cumprir. O exemplo dos Cadernos Eleitorais é mais um triste episódio num Sporting cheio de dramas e de cenas muito tristes nos últimos anos.



Este é um órgão de grande importância. A candidatura de Rui Morgado pela Lista de Pedro Madeira apresenta-se como uma grande e óbvia alternativa à incapacidade e desnorte de Marta Soares. Aqui a mudança é quase obrigatória.



No Conselho Leonino temos três listas a votos. De enaltecer a Lista que somente vai a votos para este Órgão Consultivo. Sportinguistas anónimos, gente de estádios e pavilhões, gente educada e presente, gente que teve a coragem e acima de tudo, cumprem com o seu dever e obrigação de se fazerem ouvir e de se apresentarem como alternativa. Na minha opinião vão ter um bom resultado, e verdade seja dita merecem.



Por outro lado a Lista da candidatura de Bruno de Carvalho é um filme de terror. O regresso dos “cancros” ao Sporting. Cancros foi o termo utilizado pelo próprio presidente para denegrir Ricciardi e outros antigos dirigentes que agora se apresentam e andam aos abraços por Alvalade. O que hoje é verdade amanhã é mentira, e verdade seja dita, esta lista ao Conselho Leonino é para rir, pois esta gente não merece uma lágrima que seja.


E claro, olhemos para os dois candidatos, Pedro Madeira e Bruno de Carvalho, dois jovens, e o Sporting precisa desta juventude. Bruno de Carvalho teve quatro anos para se adaptar, para aprender, para se enquadrar com a responsabilidade que é ser Presidente de um Clube como o Sporting Clube de Portugal. Mas tarda em perceber e comportar-se como tal. O Clube está fraturado, os adeptos combatem entre si, há ameaças, há processos, há um tom baixo e sem perfil institucional. O Sporting é hoje um Clube gerido ao balcão da taverna, onde tudo se resolve com ataques ao rival Benfica, que para nossa tristeza, vai a caminho de quatro títulos em quatro anos de mandato de Bruno Carvalho. Nas modalidades e no futebol o terror é o mesmo. Muito dinheiro aplicado, e poucos ou nenhuns títulos. O Pavilhão tem mérito de Bruno, mas não podemos esquecer todo o trabalho feito pelas anteriores Direções no processo de resolução de terrenos e licenças com a autarquia. Sem estes processos nada aconteceria. Mas Bruno construiu, está quase pronto, e todos queremos que seja uma casa que muitas alegrias nos ofereça.

 

Pedro Madeira é o challenger destas eleições. Avançou sozinho num momento em que o Sporting estava ainda a lutar para vencer praticamente todas as competições. Sozinho foi conquistando apoios, garantindo votos, tem hoje uma Lista composta por antigos dissidentes de Bruno de Carvalho e de gente que muito deu ao Sporting e ao desporto nas ultimas décadas. Esta é uma Lista que deve ser bem avaliada e bem ponderada. Não é um capricho, é efetivamente um conjunto de Sócios muito válidos e preparados para alterar o rumo do Sporting nos próximos anos.



Pedro Madeira tem vindo a subir na sua confiança e notoriedade entre os Sócios. A poucas horas do Debate, se Pedro Madeira se conseguir afirmar definitivamente perante a plateia Leonina, tudo pode acontecer no dia 4 de Março. Pedro Madeira tem ainda trunfos na manga, como os investidores, sponsors, treinador e diretor desportivo. Ao que se vai ouvindo todos estes nomes serão fortes, e tudo será provado e comprovado de forma efetiva sem show mediático mas sim no sentido de começarem a trabalhar logo no dia 5.



O episódio do despedimento de Jorge Jesus foi mais um ato de coragem do candidato. E uma grande maioria tem esse desejo. E acredito que não será difícil chegar a esse acordo. Jorge Jesus está intimamente ligado a muito do que se passou nos últimos dois anos no departamento de futebol. Esteve nos negócios, nas compras, nas vendas, e isso pode ser o ponto de partida para colocar o lugar à disposição. Jorge Jesus pode ter muitos defeitos mas continuo a acreditar que e um Homem de caráter, do Sporting e que tem todas as qualidades para dar o salto para outro campeonato. Jorge Jesus sairá pelo seu próprio pé, pois perderá a confiança da direção e claro, perderá a confiança de quem realmente tem e deve ter o poder, os Sócios e Adeptos.


O Sporting está numa fase critica. Não é de agora. Mas vivemos atualmente de uma fraqueza enorme para os nossos rivais. Bruno de Carvalho dividiu o Clube, criou um conflito interno para governar. Se Pedro Madeira conseguir aproveitar esta fraqueza sairá vencedor das eleições. Bruno está desgastado, desacreditado, refém de um treinador autista que renega de forma perentória o nosso ADN de clube formador. E claro, o aumento brutal de emissão de VMOC´s, processo tão criticado por Dias Ferreira no passado e que agora evita tocar ou explicar aos Sócios e Adeptos o problema que temos entre mãos. O Clube e a SAD estão no limbo, continuam na mão da banca e de investidores. Os empresários de jogadores não nos consideram, a Federação de Futebol, a Liga de Clubes e a APAF não nos respeitam.



Um Clube orgulhosamente só só pode ter um destino. Ir definhando e desfalecendo sozinho, jogo após jogo, decisão após decisão até ao tombo final, que muito nos irá custar. Reerguer este Clube é uma missão de todos os associados e adeptos, que comece já no dia 4 com um voto de consciência. Basta! O Sporting não é isto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

20
Fev17

O que hoje é verdade Parte III.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

1a (1).jpg

 

Depois de ter considerado o aumento do número de associados como um dos méritos do actual mandato, fico agora um pouco surpreendido com duas notícias que têm sido bastante comentadas nos últimos dias.

 

O número de sócios com direito de voto no dia 4 de Março ronda os 45 mil. Sendo consensual que o número de sócios pagantes na generalidade das organizações oscile pelos 50%, seria legítimo ter uma expectativa de pelo menos 70 mil sócios a poder votar nestas eleições. Estamos, portanto, perante metade do que seria expectável depois do anúncio, associado a Eric Cantona, que já ultrapassámos os 150 mil sócios.

 

Estarão também noutra dimensão, como os assistentes aos jogos em Alvalade que ocupam cadeiras aparentemente vazias? Estariam a bordo do voo da Malasya Airlines? Só serão observáveis utilizando equipamentos de VR? Um pokémon pode ser sócio de um clube? Considerando a actual tendência de Hollywood para o remake de clássicos, poderia ser um argumento a explorar por Mulder e Scully…

 

Para lançar ainda mais “transparência” no assunto, eis que a MAG opta por não divulgar os cadernos eleitorais. Baseia essa opção na Lei de Protecção de Dados Pessoais. Estranho que quando um sócio de seu nome Bruno Miguel Azevedo Gaspar de Carvalho, na sequência de suspeições levantadas pelo então candidato presidencial Bruno Miguel Azevedo Gaspar de Carvalho, apresentou uma proposta de alteração ao Regulamento Eleitoral que visava precisamente estabelecer a obrigatoriedade de divulgação dos cadernos aí não se recordaram da LPDP. Estranho também que, tendo entretanto constatado que o Regulamento alegadamente violava a LPDP, não tenham entretanto apresentado proposta rectificativa do mesmo. Terá a proposta levado mais de 4 anos a ser ultimada…? Estranho igualmente que a LPDP não tenha sido sempre a “resposta oficial” à questão…

 

Para esclarecer estas questões, aparentemente simples, bastaria dar resposta ao exemplo que aqui apresentamos, enviado por um leitor:

 

«Caros Presidentes do SCP e MAG. Neste momento são muitos os adeptos e sócios que se questionam sobre 3 assuntos que terão rápida e simples resposta por parte de V. Exas.:

 

  1. Qual o n.º total de sócios do Sporting Clube de Portugal?

 

  1. Qual o n.º total de sócios com capacidade de voto?

 

Continuamos a aguardar os cadernos eleitorais. Estamos certos de que sabem o que são e que têm conhecimento dos estatutos do clube e MAG. Já ultrapassou o prazo para a publicação obrigatória dos mesmos como também saberão.

Notem que o Sporting Clube de Portugal não é nenhuma Associação de Bombeiros (com todo o respeito por estas).

 

  1. Onde param os outros 100.000 para perfazer os propalados 150.000?

 

Admitindo que se trata de 45.000 sócios com capacidade de voto (resposta à questão 2), serão 100.000 menores de idade como os meus 2 filhos (também sócios)?

Serão todos sócios com menos de 12 meses de filiação?

Ou 100.000 deixaram de pagar quotas a tempo de serem elegíveis a exercer o seu direito de voto?

 

Só isto. 3 respostas simples. 2 números e 1 pequena resposta.

Consultem por favor o vosso Excel.

Nós saberemos calcular uma taxa de crescimento.

Bem como, na falta de resposta, saberemos encontrá-los. Ou deduzir de onde vieram.»

 

Obrigado mais uma vez caro Rui!

 

Agradeço também, antecipadamente, ao CD e MAG que certamente tudo farão para que as eleições decorram com a máxima transparência possível. É o que se exige aos representantes de uma Instituição Centenária que sempre se pautou, não pelos valores mínimos legalmente exigíveis, mas pela Verdade!

Autoria e outros dados (tags, etc)

20
Fev17

1.jpg

 

A Comunicação de um clube assume importância relevante, não apenas na forma como se projecta a sua imagem em relação aos diferentes agentes desportivos, mas também em relação aos próprios adeptos do clube.

 

Cada vez mais, a forma como um clube se posiciona, a mensagem que emite, a forma como o faz, os momentos escolhidos e os assuntos que opta para abordar são decisivos. E falar demais e de forma errática, sem estratégia ou sem revelar inteligência, acaba por ser mais prejudicial do que benéfico aos interesses do clube. É que se a palavra é de prata, o silêncio é muitas vezes de ouro.

 

Em primeiro lugar, a Comunicação deve dar informações úteis aos associados, enaltecer os feitos e conquistas do Clube e só depois dar resposta, mas de forma selectiva e inteligente, a ataques, venham eles de clubes rivais ou de outros agentes.

 

Além disso, é errado pensar-se que a Comunicação se resume a uns posts no Facebook ou a uns comunicados. Há todo um trabalho (muitas vezes não visível, mas essencial) que deve ser realizado, no relacionamento com os media e que permite a um clube defender os seus interesses. Não se pode andar a dizer cobras e lagartos de um Record por exemplo e no dia seguinte conceder-lhe uma entrevista exclusiva ou dar-se-lhe uma “caixa”. Este tipo de coisas acaba por criar confusão e perplexidade nos adeptos.

 

Os media têm sido muitas vezes desfavoráveis ao Sporting. Interessa reflectir sobre as razões desta postura. Claro que podemos dizer que o Benfica tem uma máquina muito mais oleada, que há jornais como A Bola que fazem títulos constantes sobre esse clube, a tentar valorizar os seus jogadores e a tentar defender ao máximo os seus interesses, etc, etc. Tudo isto é verdade. Mas não deixa de ser também válido que a Comunicação do Sporting tem sido, em todo este mandato, um constante metralhar de tiros nos pés.

 

Não é coincidência o Sporting já contar com 4 Directores de Comunicação… tal como também não é um acaso, a Comunicação ser apontada pela grande maioria do universo leonino como um exemplo de algo que em vez de ajudar o clube nos seus objectivos, apenas contribui para nos prejudicar e muitas vezes envergonhar.

 

Vejamos a cronologia dos factos ao longo deste mandato… em primeiro lugar a Comunicação fica entregue a José Quintela e Bruno Roseiro. Tendo sido entendido que era necessário dotar este departamento de mais combatividade, know-how e eficácia, decide-se em 17/02/2015, contratar João Morgado Fernandes que tinha colaborado com José Sócrates, apesar de ter no seu histórico uma frase a gozar com o Sporting (“Sportem” como ele chamou ao clube nessa altura). Na mesma altura e hierarquicamente acima dele, entra para o clube Luís Bernardo da WL Partners, também benfiquista assumido, mas com competência e profissionalismo reconhecidos na área. Apenas 3 meses depois, entra novo director de Comunicação no clube, mais concretamente Mário Carneiro, que se mantém no clube até ser substituído por Nuno Saraiva (este sportinguista) a 3/05/2016, que é o actual Director de Comunicação, também por indicação de Luís Bernardo, que entretanto deixa o clube e passa a ser Director de Comunicação do … Benfica. Durante este período do consulado de Mário Carneiro, Bruno de Carvalho é responsável por dezenas de posts no Facebook, por vezes mais que um por dia, na sua maioria a falar do rival da Segunda Circular ou de pessoas afectas a esse clube. Aliás torna-se evidente o cansaço causado nos sportinguistas por este tipo de mensagem, que acaba por ser desvalorizada mesmo quando tem pertinência, pelo histórico e pela falta de sensatez na forma como é produzida, desgaste esse que afecta o próprio presidente do clube, muitas vezes a dar troco a comentadores e paineleiros do clube rival. Por esse motivo, muitos sportinguistas viram com alguma curiosidade a entrada do novo Director de Comunicação.

 

Pois, passados nove meses desde que tomou posse, podemos dizer que Nuno Saraiva representa uma tremenda frustração. Mais de metade dos seus posts são para falar do Benfica, das suas finanças, do que dizem os seus comentadores e paineleiros, de jogadores, etc, etc.

 

Neste fim de semana, e quando o tema mais marcante era a escandalosa arbitragem de Luís Ferreira no Dragão, com um penalty inventado e uma expulsão ridícula, tudo erros em favor do Porto, no jogo com o Tondela, Nuno Saraiva fez ontem mais um post, não a falar deste assunto, mas de … Rui Vitória. Obviamente que não está em causa que é preciso uma tremenda cara de pau, como revelou o treinador do Benfica – o tal que nunca fala de árbitros – ao vir dizer que “não brinquem comigo” a propósito da arbitragem do jogo do Porto. Tem de facto uma grande moral para o fazer… mas a Comunicação do Sporting escolher apenas a reacção de Rui Vitória e esquecer a arbitragem escandalosa do jogo do Dragão é mais um exemplo da tremenda obsessão que os responsáveis do clube têm pelo Benfica.

 

Mas será que a culpa é apenas de Nuno Saraiva? Antes o fosse, embora não esteja obviamente inocente. A verdade porém é que antes de Nuno Saraiva a mensagem era exactamente a mesma, só que o emissor era o próprio presidente do clube. Portanto, o problema não se resume substituindo o “boneco” de ocasião (neste caso Nuno Saraiva). É o ventríloquo que tem de deixar de ter esta obsessão e ser muito mais selectivo e eficaz na mensagem que veicula ou pede para que seja emitida. De outra forma, apenas contribui para a ridicularização do nosso Clube e para que ninguém nos leve a sério quando queremos ser contundentes ou atingir um alvo específico. Um verdadeiro case-study de incompetência e de falta de eficácia…

Autoria e outros dados (tags, etc)

20170219.jpg

 

Vem o título na sequência do pós-jogo. Saindo das bancadas, nas escadas, nos acessos, nos bares, nas roulottes, nos restaurantes, nos trasnportes, ..., até nos WC... Novos e velhos. Mulheres e homens. Todos de acordo. O Sporting ontem não jogou absolutamente nada!

 

Será uma questão dos soldados? Em duas posições, sim, claramente. Mas sobre os laterais defensivos já tanto se falou que as suas más exibições já se tornaram uma "aceitável normalidade". Quanto aos demais, um dos melhores guarda-redes do Mundo, bons centrais, excelentes médios centro, um furacão na direita e um matador na área. A isto soma-se a tendência crescente de Alan Ruiz e a experiência de Bruno César ou Bryan Ruiz.

 

Sobre a baliza, voltarei no final. Na defesa a aparecer a novidade Paulo Oliveira, mostrando que o Sporting não está refêm da habitual dupla titular e de eventuais oscilações de forma. No meio uns bastante menos inspirados William e Adrien a demonstrarem que, se quem de direito assim o decida, a boa surpresa que foi Paulo Oliveira na defesa poderia ser extensível mais à frente com Palhinha e Francisco Geraldes. Na direita Gélson a mostrar que "é um que não engana", não sabe jogar mal, mesmo em noite menos inpirada consegue compensar com mais trabalho. Bruno César algo apagado, mas algo compreensível quando falamos do jogador que esta época "passeia" entre posições. Alan Ruiz a marcar, mais uma vez. Um jogador claramente em crescendo. Na frente Dost desta vez não marcou, mas sem a bola lhe chegar... só por telecinese.

 

Será uma questão do general? Que dizer quando os tijolos e o betão são de boa qualidade mas a parede cai...? Claramente o que falta a este Sporting (para além dos laterais...) é uma ideia de jogo. Uma! É incompreensível como um treinador que ganha o vencimento de Jorge Jesus não consegue tirar melhor rendimento dos jogadores que tem á sua disposição. O Sporting a nível defensivo causa frequentemente calafrios aos seus adeptos, muito pela actuação dos seus laterais. O Sporting a nível ofensivo não consegue em 90 minutos uma transição de bola pelo meio. Uma! É sofrível! Já se justifica a intenção de despedimento de Pedro Madeira Rodrigues, não por uma questão de "honra", mas por mau desempenho.

 

E que esperar de declarações deste general? O costume... Não só nunca assume o que corre mal, como consegue ainda ter desculpas mirabolantes como «boas equipas são aquelas que ganham sem jogar bem». E eu que pensava que uma boa equipa era aquela que jogava bem e ganhava. Jogos e títulos... Tenho evidentemente de reaprender estes conceitos para me adaptar a esta outra dimensão. Como no Fringe.

 

Aliás, só a Teoria Multidimensional para explicar as assistências anunciadas em Alvalade. Estavam lá mesmo os 40 mil... Só que 5 mil estavam noutra dimensão. Será que nessa dimensão o Sporting jogou melhor? Será que nessa dimensão temos defesas laterais decentes? Não perca o próximo episódio...

 

Termino com a baliza. Obrigado Rui Patrício! 400 vezes obrigado! Obrigado pelos 3 pontos ontem! Obrigado por seres um Leão! Obrigado por nos encheres de orgulho, com o Leão Rampante ou com as Quinas! És Grande!

 

Só lamento ver uma ou outra pessoa, sempre dispostos a aplaudir uma figura secundária como Bruno Carvalho, a pouparem as palmas das mãos nos aplausos ao Rui. Mas sobre estes já falei outro dia. Chega de dar protagonismo a quem não merece qualquer consideração. Chega.

 

Volto ao Rui! Esse sim, merece todo o protagonismo! É com estes Leões que se ganham títulos!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

20170218.jpg

 

Finalizando a análise individual das propostas do candidato Pedro Madeira Rodrigues, analisa-se agora o tema Modalidades. Um tema caríssimo a todos os Sportinguistas devido ao carácter ecléctico que o Clube sempre teve em toda a sua História centenária.

 

1. Tornar o Professor Mário Moniz Pereira o sócio perpétuo número 2.

 

Uma proposta consensual sob duas perspectivas diferentes. Por um lado é uma mais que merecida homenagem ao Senhor Atletismo, recorrendo a uma forma já anteriormente utilizada com Francisco Stromp (nº 3). Por outro lado, não se trata propriamente de uma medida estratégica para o futuro das Modalidades, como tal deveria constar no programa mas na rúbrica Liderança e Valores.

 

2. Apostar na competitividade de todas as modalidades, como máximo rigor e equilíbrio orçamental e a aposta na formação como prioridade.

 

O equilíbrio entre competitividade e rigor orçamental é um desígnio não só das modalidades, não só do Sporting, nem sequer só do desporto em geral. É uma regra a observar em qualquer organização que esteja inserida em ambiente competitivo. Tal como muitas das propostas apresentadas pelo candidato, carece de muito maior detalhe. Aqui apenas temos um – a aposta na formação.

 

3. Fazer a planificação geral, calendarização compatibilizada e conjunta das modalidades.

 

Tal como no ponto anterior, não se trata tanto de uma proposta mas sim de uma “regra” obrigatória. Qualquer organização deve ter uma visão geral do seu “negócio” e planificá-lo de acordo com essa visão global buscando, sempre que possível, sinergias.

 

4. Estudar o regresso do basquetebol numa perspectiva sustentada, com o objectivo de competir no escalão mais elevado.

 

A sustentabilidade das modalidades deve ser sempre um princípio basilar. Sendo o basquetebol uma modalidade com bastante história no Sporting, faz sentido recuperá-la. Não obstante, há que afirmar desde o primeiro dia que não existe sucesso sem trabalho e que o sucesso poderá levar 2, 3…., os anos que forem necessários, a ser alcançado. O que não pode acontecer é o que assistimos esta época, em que se fez uma aposta enorme a nível de investimento com promessas de “sucesso fácil” para depois se encontrarem bodes expiatórios para serem demitidos…

 

5. Desenvolver o conceito de Escolas Academia Sporting nas modalidades.

 

Uma boa ideia na sua base, mas que carece de “prática com pinças”. Ou seja, o sucesso que verificamos no futebol está assente na imagem de qualidade que a formação do Sporting conquistou ao longo de várias décadas. Uma excessiva dispersão do conceito poderá ter o efeito contrário de prejudicar a imagem de qualidade que temos ao dia de hoje no futebol. Uma ideia que apenas se tornará uma boa medida se for focada em modalidades em que tenhamos já algum histórico a nível de formação, bem como se forem implementadas recorrendo a parcerias locais – como se vê no futebol.

 

6. Reforçar o projecto Olímpico do Sporting, com o objectivo de alargar o número de modalidades e atletas participantes nos próximos Jogos.

 

Bonito. Mas…? Como? A que custo? Que modalidades? Com que objectivo?

 

7. Desenvolver parcerias com Universidades de referência para reforçar o corpo de técnicos das modalidades.

 

Uma excelente ideia! Mas já foi concretizada. Saúda-se contudo a intenção de manter a aposta.

 

8. Garantir a interligação entre os horários dos jogos das várias modalidades para voltarmos a ter dias “à Sporting”.

 

Como tinha já referido ao desenvolver o tema Universo Desportivo, é uma proposta que não passa de uma boa intenção. Os clubes, hoje em dia, tem pouco a opinar nos horários que são fixados pelas respectivas Federações em associação com canais de TV que eventualmente detenham direitos de transmissão.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

17
Fev17

55108.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Academia.jpg

 

Relativamente à área do Património, esta vertente é sempre muito valorizada pelos Sportinguistas que gostam de ver o seu clube dotado com boas infraestruturas e que optimizem o desempenho dos seus atletas.

Mas obviamente que é fundamental existir um equilíbrio entre o que se gostaria de ter e as possibilidades económicas do clube no momento, devendo-se levar em conta as relações custo/benefício e até eventuais novas receitas que possam ser geradas pelo aproveitamento do património. Para além disso, deve ter-se noção das prioridades, já que os recursos são escassos e têm de ser aplicados de forma criteriosa. Portanto tem de existir um verdadeiro plano global para o Património, dando prioridade às reais necessidades e deixando para mais tarde outras questões que embora sendo interessantes, não são fundamentais para reerguer o clube, pelo menos no imediato. Analisemos então as propostas desta lista para a área do Património.

 

1) Estudar a possibilidade de abrir um centro de estágio no Norte de Portugal, que seja utilizado pelas nossas equipas

A ideia em si é interessante e procurará contribuir para captar talentos do Norte de Portugal de forma mais eficaz, pois é sabido que uma das barreiras que se apresentam aos jovens desta zona do país que podem vir para o Sporting é o facto de terem de se afastar da família e dos amigos, quando vêm evoluir nas equipas dos nossos escalões de formação. Será no entanto dispendiosa para as possibilidades atuais do clube e desviará recursos importantes. Uma outra forma de o fazer gastando menos, seria desenvolver parcerias com clubes ou municípios que já tivessem grande parte das infra-estruturas passíveis de serem utilizadas para este efeito. Parece de facto uma ideia bem intencionada, mas ainda assim algo irrealista em termos de execução imediata.

Poderá ainda admitir-se que a proposta esteja associada à ideia de dotar o clube de uma base de operações para a estadia das equipas das várias modalidades, nos jogos que têm de disputar na zona Norte. Se tal fosse o caso, isto poderia permitir poupanças em estadias, evitando ainda que os atletas deixassem de estar sujeitos a almoços nos núcleos com os riscos de desconcentração e de eventuais desvios nutricionais, os quais podem ser sempre perniciosos para os atletas. Também neste caso podiam aproveitar-se infra-estruturas já existentes, assinando protocolos de cooperação, fazendo apenas as adaptações/construções que se revelassem essenciais.

 

2) Optimizar e remodelar as infra-estruturas da Academia de Alcochete, apetrechando-as com a tecnologia mais inovadora no apoio ao treino e com mais campos de futebol

As infra-estruturas de Alcochete começam a acusar o peso dos anos. Alguns equipamentos estão já algo degradados e a precisarem de manutenção e remodelação urgentes. Podem dar-se como exemplos as cantinas e o internato, que necessitam de intervenção. Quanto à tecnologia mais inovadora no apoio ao treino, sem dúvida que é interessante, mas terá de se averiguar a sua efectiva mais-valia em relação ao custo. A construção de mais campos de futebol embora possa ser necessária e útil, levanta algumas reticências em relação à sua possibilidade legal e administrativa.

Infelizmente para nós, o nosso rival dispõe já no Seixal de equipamentos e estruturas mais modernas e válidas e aqui trata-se de recuperar algum terreno perdido. De qualquer forma, tendo de optar entre a modernização imediata da Academia de Alcochete e a alocação de verbas para um centro de estágio no Norte de Portugal, parece óbvio que a primeira opção deve ser a escolhida, tratando-se mesmo de uma das prioridades em termos de património.

Para além disso foi anunciada a intenção de comprar já a totalidade da Academia, que neste momento se encontra hipotecada a uma instituição bancária, recorrendo para isso a investidores. Neste ponto, há aqui também algumas questões que surgem, nomeadamente se o Sporting deixa de dever à Banca e passa a dever a investidores, ou no caso de não lhes ficar em dívida, quais as contrapartidas envolvidas para esse investimento, sendo também pertinente perceber se seriam estes investidores, por exemplo, a financiar as melhorias propostas. Falta aqui detalhar e explicar melhor esta ideia, para que depois não seja mais um motivo de crítica e que possa ser compreendida pelos sócios. Com os elementos disponíveis, e embora possa ser emblemático recuperar património, não parece de facto uma questão prioritária.

 

3) Reconverter as infra-estruturas do Multidesportivo, criando condições para aumentar o nível de conforto dos praticantes e familiares

O Multidesportivo existente no Estádio necessita também de intervenção. Deve ser feita uma aposta na manutenção, renovação e reestruturação dos espaços, visando a sua optimização, de forma a disponibilizar os meios físicos e tecnológicos que sirvam da melhor forma as diferentes modalidades que ali evoluem e dos respectivos atletas.

Embora não seja fisicamente possível a ampliação das piscinas no Multidesportivo, este aspecto deveria também ser ponderado em termos futuros, embora fora do mesmo, atendendo à importância da Natação no clube e na sociedade em geral.

 

4) Realizar estudos de viabilidade para o encerramento do fosso do Estádio, de modo a permitir uma maior ligação entre adeptos e equipas

O encerramento do Fosso impõe-se como uma obra necessária não apenas por motivos estéticos e simbólicos, mas por uma questão de segurança. Não é descabido colocar a possibilidade de que possa voltar a acontecer um acidente com sócios e até atletas, podendo tal constituir uma tragédia lamentável. Já se fizeram vários estudos anteriores em que o custo de encerramento do fosso ultrapassaria os 10 Milhões de euros.

A verdade é que o custo total da obra, será condicionado pela ambição do projecto. Vamos privilegiar a questão da segurança e procurar arranjar uma solução que contemple apenas o encerramento do fosso, ou incluir outras intervenções, com a construção de mais filas de cadeiras? Se a opção for mais minimalista, o custo poderá andar pelos 2-3 Milhões de euros. Aliás, contrariamente ao que é dito por vários sócios, não será necessário rebaixar o relvado. O candidato declara que consegue fazê-lo por 1,5 Milhões, incluindo também a substituição das cadeiras, valor que nos parece subestimado em relação ao custo real. Será pois pertinente que explique e justifique de forma mais pormenorizada como chegou aos valores que apresenta. E se se construírem mais filas de cadeiras, convém que sejam acauteladas as condições de visibilidade para quem aí se vier a sentar. Ainda assim, reforça-se que sendo uma obra necessária e que terá de ser feita, não parece ser a primeira prioridade em termos de calendarização e alocação de verbas. Claro que faria muito mais sentido, se integrado num plano mais amplo e estruturado de requalificação e manutenção dos espaços interiores e exterior do estádio. Deve recordar-se que o estádio tem 13 anos e que durante esse período não sofreu nenhuma melhoria/intervenção a nível exterior, quer na edificação quer no espaço público de circulação, para além da pintura dos mastros de verde e que assiste à degradação dos espaços de apoio interiores, como é o caso das casas de banho e dos bares. Por último, tem de se salientar a ausência neste programa de ideias sobre um problema recorrente que é o da qualidade, consistência e durabilidade do relvado.

 

5) Construir o velódromo Joaquim Agostinho

O ciclismo é uma modalidade popular e com tradições no Sporting, que regressou recentemente ao clube, ainda que em moldes que por vezes mais nos fazem parecer um patrocinador do que propriamente o clube representado pelos atletas. Acredita-se que com PMR (e até por esta proposta), essa aposta seja para manter e até melhorar, relativamente aos moldes actuais.

Ainda assim, apresentada desta forma, esta ideia parece algo avulsa e descabida, necessitando ser enquadrada num plano de valorização e aposta no ciclismo, modalidade que nos pode dar visibilidade e contribuir para a expansão da marca Sporting. Além disso, o intuito principal de um velódromo é o ciclismo de velocidade, que até ao momento em Portugal não tem qualquer expressão. Mais uma vez, deverá ser melhor explicada esta ideia e os custos envolvidos. 

6) Substituir as cadeiras que se desviem do padrão cromático do clube

Esta proposta foi apresentada há poucos dias por PMR, em conjunto com a do encerramento do fosso. Tem sido aliás confrontado com os custos, explicando que não será para substituir todas as cadeiras (só as que se afastem das cores que representam o clube) e que consegue valores mais interessantes em termos de preço do que os que têm sido apresentados. Esta ideia só deverá ser implementada se os custos forem modestos, sendo menos prioritária que a do fosso, ou mesmo a da intervenção no interior e exterior do Estádio.

 

7) Construir o Clube Naval na zona ribeirinha de Lisboa

O Sporting é um clube ecléctico por excelência, incluindo várias modalidades que se praticam em meio aquático. Portanto pode ser também interessante que se pense em desenvolver as infra-estruturas nesta área. Ainda assim, os comentários que se teceram em relação ao velódromo no ponto 5) serão também extensivos a esta proposta. Ou seja, deve ser enquadrada num programa mais geral e detalhados os custos envolvidos. De realçar que a aposta em desportos náuticos faz todo o sentido, atendendo a que o nosso país constitui cada vez mais um ponto de referência no panorama mundial nesta área, ainda que a sua limitação a Lisboa, deixando de fora Cascais que está a apostar muito nesta vertente, associada aos constrangimentos da APL, possa representar algumas limitações. Acredita-se que várias destas medidas serão executadas algures no decorrer do mandato e apenas se tal for viável, mas isso tem de ser mais bem definido, para que os sportinguistas compreendam o âmbito destas ideias e a sua exequibilidade e calendarização.

 

8) Protocolar com a Câmara Municipal de Lisboa a criação de um complexo social junto ao Estádio que contemple uma residência para antigos atletas, uma residência universitária e uma creche

Esta é uma medida dependente da concordância de terceiros, ainda que possa ser viável. Não é de facto prioritária, mas poderá ser interessante pelo que poderia significar de regresso à área geográfica mãe de algum tipo de ligação e permanência. Convém definir quem irá usufruir da residência universitária e em que condições, bem como da creche, se se destinará apenas aos filhos dos atletas ou se também será extensiva às famílias dos sócios. Relativamente à residência para antigos atletas, pensamos que seria interessante, até como reconhecimento ao que eles fizeram pelo clube,

De qualquer forma são questões claramente não prioritárias e a carecer de enquadramento custo-benefício.

Para além destas ideias, era interessante existir um Centro de Treino vocacionado para o Atletismo, modalidade querida dos sportinguistas e na qual temos títulos olímpicos, mas que perdeu com a mudança para o novo Estádio e o desaparecimento da pista de tartan e que seria importante revitalizar. Tal propósito será alcançado, não apenas contratando atletas, mas criando condições para que jovens talentos surjam e evoluam no Atletismo, como fizemos no passado. De referir que Bruno de Carvalho fala na possibilidade de um Centro de Alto Rendimento para o atletismo, o que se saúda por vir ao encontro desta necessidade, embora ainda como medida a estudar. Esperemos que, seja qual for a lista vencedora, se trate de uma proposta para implementar no próximo mandato.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D