Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Sporting é a paixão que nos inspira. Não confundimos competência com cultos de personalidade. 110 anos de história de um clube que resiste a tudo e que merece o melhor e os melhores de todos nós. Sporting Sempre


20170111.jpg

 

 

Desde há bastante tempo que, nas modalidades desportivas que são organizadas e practicadas a título profissional, os responsáveis directivos das mesmas devem obedecer a princípios de gestão, também eles profissionais, e a tratar um clube como se de outra qualquer empresa se tratasse.

 

Um gestor, com capacidade e responsável, deverá saber adequar as suas estratégias e decisões ao meio no qual o clube que dirige está inserido. Falando de futebol, não fará grande sentido comparar a gestão de clubes como o Bayern, Arsenal, Barcelona, Sporting, Ajax ou o Cluj. E assim é, em primeiro lugar, por estes clubes pertencerem a países com realidades bastante diferentes.

 

Se na Alemanha, um país que é a primeira economia da zona euro e que tem uma população de cerca de 82 milhões de habitantes, é possível ter clubes com estádios sempre cheios, elevadas receitas secundárias como mershandising e publicidade e um "fulgor" que permite alguma autonomia financeira aos clubes, já na Roménia, cuja população é 25% da alemã e o PIB per capita 40%, para um clube sonhar em ganhar uma Champions Cup só mesmo nos idos tempos do Steua em 1986.

 

Que dizer então de Portugal, que embora tenha o dobro do PIB per capita romeno, tem metade da população? Assim sendo, logo à partida terá menos sócios, menos adeptos, menos adeptos potenciais, menos receitas publicitárias (por o seu valor estar indexado a uma população menor), etc. Um clube em Portugal, não tendo a possibilidade de alavancar a sua Tesouraria com enormes receitas de publicidade e direitos televisivos nunca poderá competir a nível de custos com outros como Arsenal ou Barcelona que as têm. Como tal, e ainda que o Sporting tenha projecção mundial, para um clube em Portugal as receitas extraordinárias da Liga dos campeões são fundamentais, e em alguns anos eventualmente representem quase a totalidade do orçamento do clube.

Considerando o carácter, por um lado extraordinário, por outro extremamente competitivo, da Liga dos Campeões, não se poderá numa estratégia de médio/longo prazo contar "com o ovo no cú da galinha". Com o que se pode então contar? O que resta à nossa "economia futebolística"? Como qualquer outra empresa portuguesa na actualidade: apostar na criação de valor e exportá-lo – formação de atletas.

 

benfica e porto, na última década acharam que poderiam escapar a esse paradigma. Orçamentos, contratações, vencimentos, prémios, ..., milionários para a realidade portuguesa! O benfica no início da época passada decide começar a inverter essa estratégia ao dispensar Jorge Jesus e contratar um treinador mais vocacionado para a aposta na formação, como já tinha feito no Vitória de Guimarães. O porto, no início desta ao apresentar resultados, decreta a mesma inversão como obrigatória, caso contrário o clube entraria em colapso financeiro no curto prazo. Embora o benfica não o tenha assumido dessa forma, todos sabemos que os motivos são os mesmos.

 

O Sporting, que desde há longos e longos anos aposta na formação, e ainda bem pois grandes jogadores deu à Selecção e ao Mundo, vê nos últimos dois anos, com a entrada de Jorge Jesus e a total volta de 180º na política de contratações de Bruno Carvalho, a sua estratégia mudar na direcção que os rivais abandonam. E abandonam porque já sentiram que não é executável num clube em Portugal. E não é executável, porque basta um sorteio ou uma arbitragem mais defavorável para colocar em jogo a única receita que pode suportar essa estratégia – receitas da Liga dos Campeões.

 

Fará sentido criticar de forma tão assídua os rivais, umas justificadas outras bastante evitáveis, e ir depois imitar uma estratégia que os mesmos já nos fizeram o favor de demosntrar que não dá bons frutos? Para depois, como eles, percebermos que afinal a aposta é a formação...?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


4 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 11.01.2017 às 10:21

👏
Imagem de perfil

De Ivaylo a 12.01.2017 às 09:01

Caro anónimo,

Obrigado!

SL
Sem imagem de perfil

De Rato Azevedo a 11.01.2017 às 15:46

E o que é grave, é que isto resultou de uma incompatibilidade pessoal entre o presidente e o então treinador Marco Silva!

Este mandato tem sido marcado quase todo ele por pura gestão danosa!
Imagem de perfil

De Ivaylo a 12.01.2017 às 09:04

Caro Rato Azevedo,

Veja-se o exemplo do actual Primeiro-Ministro e Presidente da República na sua postura de diálogo e abertura à negociação. Compare-se com Bruno Carvalho... O oposto! Constante "clima de guerrilha" apontando a tudo e todos.

Também não o consideramos todo ele "danoso". Há alguns pontos positivos e irei abordar dois deles amanhã.

Obrigado por nos acompanhar!

SL

Comentar post




Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D