Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Sporting é a paixão que nos inspira. Não confundimos competência com cultos de personalidade. 110 anos de história de um clube que resiste a tudo e que merece o melhor e os melhores de todos nós. Sporting Sempre


09
Mar17

Diz o roto ao nu…

por Ivaylo

1a (3).JPG

 

Na passada quarta-feira, mais uma vez aparece em cena um dos peões em ataque cerrado a um jornal português. Correio da Manhã? A Bola? Record? O Jogo? Não. Pasme-se: o Jornal de Negócios! Considera o peão que uma reportagem comparativa das contas de Sporting, porto e benfica, totalmente baseada nessa realidade complexamente subjectiva que são os números é propaganda. Logo a priori urge a questão: propaganda não será afirmar que um facto objectivo como um número é passível de opinião ou subjectividade…?

 

Para além do princípio “enviesado” de analisar uma reportagem de um jornal económico como se de um desportivo ou sensacionalista se tratasse, continuam os “remates com efeito” ao longo da “análise” propriamente dita. Afirmam que é «surreal» que uma publicação económica olhe para mais do que o número final, ou seja, criticam o facto de – nunca é demais acentuar isto – um jornal económico tenha optado por “descascar” os números por detrimento de olhar apenas para o “bonito” número final. Também devem achar surreal quando o Correio da Manhã noticia um tiroteio ou um dos três desportivos fala sobre um jogo de futebol… Seguem reforçando que só o resultado final importa e que no semestre em apreço o Sporting «conseguiu um lucro absolutamente extraordinário», e aqui por acaso e sem aparente conhecimento de causa acertaram.

 

O lucro apresentado pela Sporting SAD não é nenhuma surpresa. Surpresa (bem desagradável) seria o Sporting ter feito duas transferências no valor total de 70M€ e apresentar prejuízo. Mas, mais do que o encaixe monetário efectuado é também importante analisar a contabilização dessas vendas numa perspectiva de mais-valias. João Mário era um jogador proveniente da Formação Leonina e, fazendo fé nas palavras dos próprios responsáveis do Sporting, esses jogadores estão valorizados no balanço da SAD como quase zero. Islam Slimani foi um jogador contratado por 300m€, sendo registado no balanço por esse valor. Portanto, João Mário representou uma mais-valia de 40M€ (40 – 0) e Islam Slimani de 29,7M€ (30 – 0,3). Conclui-se assim que foi de facto extraordinário, não só do ponto de vista de Tesouraria como do ponto de vista contabilístico. Partindo do natural princípio que sem vender Slimani não se teria contratado Bas Dost, podemos inferir o que seriam as contas deste semestre sem as vendas: prejuízo de 13,2M€ [46,5 (resultado apresentado) – 69,7 (mais-valia global das vendas) + 10 (valor pago por Bas Dost)]. Realçar ainda que estas receitas extraordinárias provenientes de vendas surgem habitualmente em contexto de sucesso desportivo, o que é evidente que não será o caso esta época.

 

Como se vê, sem receitas extraordinárias o número final já não seria tão “bonito”. E isto deve – obviamente – fazer reflectir que o equilíbrio de médio/longo prazo de qualquer organização nunca poderá ser assente em factos extraordinários. Aliás, Portugal é (infelizmente) o exemplo mais claro disso. Temos, desde que fazemos parte da Zona Euro, obrigações a nível do “número final” – o nosso deficit orçamental não pode exceder 3% do PIB. Temos, quase sempre que atingimos essa meta, enveredado pela via das receitas extraordinárias. Durão Barroso fê-lo. Santana Lopes fê-lo. Sócrates fê-lo. Passos Coelho fê-lo. E já agora em 2016 Costa fê-lo. Achará o peão que Portugal respira saúde financeira…?! Pelo menos em 2012, estou em crer que a Comissão Europeia, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional discordariam…

 

Para futuras ocasiões em que o peão tente abordar matérias de cariz financeiro, recomendava uma vista de olhos prévia à teoria… aqui fica um exemplo.

 

Quanto ao já costumeiro e deplorável hábito de “invadir” a vida de pessoas, neste caso os jornalistas que redigiram a peça, não tenho quaisquer recomendações… é uma questão de educação, ou se tem ou não.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D