Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Sporting é a paixão que nos inspira. Não confundimos competência com cultos de personalidade. 110 anos de história de um clube que resiste a tudo e que merece o melhor e os melhores de todos nós. Sporting Sempre


20170131 (1).jpg

 

 

Naquele que, actualmente, é um dos dois (o outro é o futebol) aspectos fundamentais na estratégia do líder de um clube em Portugal, o candidato Pedro Madeira Rodrigues apresenta oito propostas.

 

1. Recuperar no imediato a posse da Academia Sporting, na posse do Banco Comercial Português desde 2014, com o apoio de investidores que entrarão com um valor a rondar os 14M€.

 

Neste ponto, o que o candidato essencialmente propõe é o pagamento antecipado de todas as rendas e valor residual no contrato de locação financeira que o Sporting assinou com o referido Banco em 2014. Ainda que se discorde do instrumento de financiamento utilizado, o que é certo é que ele existe e constituí uma obrigação para o Sporting. Partindo dos fáceis princípios que o Banco não pode vender o imóvel no decorrer do contrato em vigor, e, que o Banco não se opõe à realização de obras que aumentem o valor do imóvel, é legítimo questionar que vantagem terá o Clube em accionar o pagamento antecipado. Igualmente legitimo seria identificar os investidores e quais seriam as suas contrapartidas.

 

2. Garantir a detenção da maioria de capital da SAD, preparando a recompra de VMOCs.

 

Mais que uma proposta, trata-se de um "desígnio dívino". É impreterível garantir a independência do Clube! Preparar a recompra dos Valores Mobiliários Obrigatoriamente Convertíveis é garantir a disponibilidade de 99M€ até 2026, caso contrário os Bancos financiadores (BCP e NB) tornam-se automaticamente detentores de 45% do capital da SAD, vendo os actuais accionistas as suas participações revistas em proporção. Ou seja, fazendo esse caminho de forma sustentada, deverá o Sporting reservar cerca de 10M€ por ano. Se, pelo que se pode ver no final do link anterior, até ao momento reservámos apenas 3M€, já temos então uma diferença de 7M€ a compensar futuramente. Aguardamos o concretizar, por parte de Madeira Rodrigues, de como planeia reservar 47M€ nos quatro anos de mandato.

 

3. Promover a participação dos actuais investidores e a atracção de novos, estruturando e revendo a abordagem global ao mercado, restabelecendo relações de confiança e procurando novas parcerias.

 

Os principais investidores do Sporting são os seus accionistas, os seus financiadores e os seus patrocinadores. Entre os accionistas temos a Holdimo de Álvaro Sobrinho e a Olivedesportos de Joaquim de Oliveira. Nos financiadores os já citados Banco Comercial Português e o Novo Banco. Seria útil que Madeira Rodrigues esclarecesse em que moldes pretende que os empresários e/ou os Bancos participem mais, com que contrapartidas e em que montantes. Na nova abordagem ao mercado também seria pertinente concretizar quais os sectores, à data não explorados, para os quais o Sporting irá apontar. O recente relatório UEFA, já aqui mencionado noutra oportunidade, aponta para os sectores "Banca e Seguros", "Empresas de Apostas", "Companhias Aéreas" e "Indústria Automóvel".

 

4. Assumir, inequivocamente a transparência na identificação dos investidores.

 

Um excelente princípio pelo qual se deveria reger qualquer Organização. No entanto até ao momento, o candidato Pedro Madeira Rodrigues não divulgou quem serão os investidores do primeiro ponto. Seria também importante perceber em que moldes esses investidores entrariam no Sporting e, se estariam dispostos a canalizar esse investimento de 14M€ para questões mais propensas a gerar valor, nomeadamente as melhorias de infra-estruturas da própria Academia.

 

5. Optimizar a gestão de tesouraria que permita uma gestão eficiente dos activos e impeça a alienação destes para suprimento de faltas.

 

Dizer isto é, basicamente, garantir um fluxo de recebimentos que faça face ao fluxo de pagamentos num determinado período em análise. Não entrando nas obrigações financeiras enunciadas nos pontos anteriores, uma análise muito simplista aponta para o pagamento de vencimentos como o maior desafio nessa gestão. Considerando que a quotização foi alocada em exclusivo às modalidades, são neste momento as receitas de patrocínios, direitos televisivos e mais-valias em vendas de jogadores que financiam o orçamento do futebol. Para tudo isto ser sustentável, como as mais-valias não são constantes, é fundamental reduzir a massa salarial. É isto que Madeira Rodrigues propõe? Não sabemos. Aguardamos.

 

6. Regularizar e fortalecer a relação institucional com os parceiros bancários.

 

Nos dois verbos utilizados – regularizar e fortalecer – é hoje em dia de comum entendimento que os Bancos estarão muito interessados no primeiro e com fraca apetência para o segundo. O que os parceiros bancários, de uma forma transversal a todos os clubes, querem é reduzir a sua exposição a um sector que lhes tem trazido mais dissabores que retorno. Daí a sua flexibilidade na gestão das dívidas actuais, mas é bastante previsível que não tencionem fortalecer as actuais relações.

 

7. Reduzir os gastos com fornecimentos e serviços externos.

 

Um bom prícipio de gestão. No caso do Sporting, mais que uma intenção deve ser uma prioridade considerando os sucessivos recentes aumentos nesta rúbrica. Tratado-se de matérias tão diversas como electricidade, água ou combustíveis, mais que o príncipio aguardamos que Madeira Rodrigues liste quais os principais vectores de poupança e como pretende consegui-lo. Reduzir os encargos com deslocações de comitivas poderia ser uma ideia, mas só o próprio para a consubstanciar.

 

8. Garantir a apresentação regular das contas consolidadas do clube.

 

Uma medida concreta que visa a transparência com que nos devemos relacionar com os demais stakeholders. Recordar que num passado recente Bruno Carvalho lançou esse repto aos rivais, só o cumprindo em casa própria passados 10 meses.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 31.01.2017 às 11:32

É perfeitamente natural qualquer candidato não nomear a identidade dos investidores antes da eleição. Até por dever de reserva. Tanto como a curiosidade da parte dos sócios. Aqui a linha da água é sempre a credibilidade que cada candidato nos merece. E como se viu em 2011 nomeá-los não quer dizer nada. Nomeadamente quando estamos a falar de um biscateiro qualquer com "escritório" numa garagem de Telheiras. Que convenhamos não é bem a mesma coisa que alguém que deixa a Câmara de Comércio e Indústria para se candidatar à presidência do SCP.
Imagem de perfil

De Ivaylo a 01.02.2017 às 13:06

Caro Anónimo,

Concordando na questão do dever de reserva, bem como que o CV de um é superior ao outro, no entanto o candidato Madeira Rodrigues poderia (e pode ainda) levantar o pouco o véu.

Ou seja, sem referir explicitamente o nome, pode identificar a nacionalidade, o sector em que estão inseridos, os moldes ed investimento e respectivas contrapartidas.

SL

Comentar post




Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D