Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Sporting é a paixão que nos inspira. Não confundimos competência com cultos de personalidade. 110 anos de história de um clube que resiste a tudo e que merece o melhor e os melhores de todos nós. Sporting Sempre

lion.jpg

 

Acabou o campeonato e com ele o suplício de uma época desastrosa. Não apenas pelo terceiro lugar, por não se ter ganho (mais uma vez) qualquer troféu, mas porque fica a nítida sensação que se podia ter feito muito melhor. Desde logo, com o dinheiro usado nas contratações, que foi muito mal aplicado, tirando o caso de Dost. Com outro tipo de soluções, teria sido possível atacar muito melhor a época, não desgastando sempre os mesmos jogadores numa fase decisiva em que estávamos envolvidos em várias competições em simultâneo (Novembro-Dezembro) e poderíamos ter tido outros horizontes. Sobretudo com um Benfica abaixo do que fez na época passada e com um Porto claramente fraco e irregular.

Depois, fica a nítida sensação de que desde muito cedo o balneário ficou instável e com mau ambiente. Se foi devido ao: “a diferença está no treinador” que Jorge Jesus, em mais uma das suas tiradas egocêntricas e petulantes, produziu no rescaldo do jogo de Madrid, ou se depois da intervenção destemperada do presidente em Chaves, de forma audível para quem estava no exterior, em que descompôs e insultou os jogadores, não o sabemos. De qualquer forma, esses dois episódios constituíram apenas a face mais visível de erros que foram cometidos e que gradualmente conduziram a um divórcio dos jogadores com o treinador e com o presidente e que só não levaram a um rompimento do presidente com o treinador porque há pelo menos uma dúzia de milhões de euros de razões para que isso (ainda) não tenha acontecido. Provavelmente há muito mais que isto… por exemplo, sabemos que os campeões da Europa se mantiveram no clube na época anterior algo contrariados. Claro, que por princípio, defendo que os jogadores devem ficar no clube o tempo suficiente para que deles se possa extrair rendimento desportivo e saírem na altura certa, que corresponderá a uma grande oferta, não frustrando as suas expectativas que por muito que nos custe, são naturais. Mas para isso, têm de ser tratados de forma transparente e com rectidão, não lhes prometendo o que depois não se cumpre e não os humilhando. Ou seja, é preciso saber lidar com os recursos humanos e não os hostilizar ou desvalorizar. Mais uma vez, aqui há um longo caminho a percorrer.
 
Além de tudo o mais, ficou claro desde uma fase precoce na época, que seriam os jogadores, os bodes expiatórios de tudo o que corresse mal a partir dessa altura. Quer pelos sinais que foram sendo dados por alguns blogues que colocam acima de tudo a defesa da Direção, quer mesmo por intervenções públicas de pessoas que são próximas desta, como Pedro Baptista quando colocou em causa o profissionalismo de William, entre outros. Obviamente que seria completamente utópico pensar que tudo isto deixaria o plantel e a carreira da equipa fora de toda esta turbulência. Claro que esta culpabilização dos jogadores procurava preservar o treinador (porque era preciso pagar-lhe muito para sair) e a Direção (porque quer manter-se fora de contestação). Percebe-se ainda que o regresso antecipado de jovens valores emprestados em Janeiro, correspondeu mais a um sinal que a Direcção quis passar aos sócios do que genuína vontade do treinador em contar efectivamente com eles para o seu plano de jogo.
 
Ninguém gosta de viver num clima de passa-culpas, nem de quando não se assumem responsabilidades que são sempre colectivas. Ao contrário do que tentam fazer passar o presidente e o seu porta-voz Saraiva, a cultura de exigência que os adeptos devem ter não se resume a exigir rendimento dos atletas – o que obviamente teremos sempre de fazer. A cultura de exigência, prende-se com todos os elementos do clube que têm responsabilidades nos resultados. Quem contratou os jogadores e o treinador? Quem contratou os jogadores, que agora são tidos como únicos culpados? Quem gosta de assumir qualquer vitória como troféu, seja ela qual for e que foge nas derrotas?

Ninguém pode passar pelos pingos da chuva nesta hora, nem o treinador, nem muito menos o principal responsável pelo clube. A sua hora da verdade chegou, Bruno de Carvalho. Pode continuar agarrado aos 86% e achar que vão durar muito tempo, fazendo o que lhe apetece, alterando a agenda do clube devido à sua agenda pessoal, como acontece agora com a questão da Gala, ou dando mostras de romantismo pueril de adolescente na tribuna do Clube – não que eu seja especialmente puritano, mas porque sinceramente… não havia necessidade de mais uma vez baixar o nível de representação institucional do clube. Pode achar que pode atacar de forma gratuita os atletas das modalidades e os treinadores, (mais uma vez: quem os escolheu?) incluindo os poucos casos que têm dado títulos ao clube como no futsal, ou numa altura em que a equipa de andebol ainda tem possibilidade de ganhar 3 títulos: campeonato, Taça Challenge e Taça de Portugal. Pode entender que pode calar a voz da indignação dos adeptos, dos sócios e pelos vistos também das claques. Pode achar que está acima do clube, apostar na ignorância dos adeptos e abusar da sua boa-fé e pensar que o clube está aos seus pés. Pode pressupor que como estamos há 15 anos sem ganhar um campeonato, a nossa paciência é infindável. Mas depois não se queixe, nem diga que não foi avisado… e não se esqueça que quem sofre é o Sporting.
 
Ontem, tivemos mais um exemplo do que está a acontecer e de que o clube está a ferro e fogo, nesse barómetro que são as claques. Existiu a tarja dos 20 minutos em silêncio como protesto pelo rendimento da equipa (colocando mais uma vez o foco unicamente nos jogadores…). Mas também existiram tarjas a questionar as contratações - “reforços cirúrgicos?” e uma a referir: “só o Sporting é insubstituível”, esta última pelos vistos bastante incómoda para quem dirige o clube. Tivemos inclusive tarjas a atacar os jogadores, chegando ao ponto de visar individualmente Ruben Semedo e a desejar-lhe “bon voyage”. Independentemente do que ele possa ter feito, deveria ter existido algum bom senso em não desvalorizar desta forma um activo do clube, que agora fará toda a pressão para sair ou que, se ficar, o fará extremamente contrariado. Se a filosofia agora e na linha do discurso do bardamerda da noite da eleições, é renegar e expulsar do clube todos os atletas que não sejam adeptos do Sporting, talvez seja bom perceber que não é isso que conduz ao sucesso nem sequer a prática seguida pelos rivais. O que estará sempre em causa é o profissionalismo dos atletas. Já que BdC tanto gosta de se comparar com o Benfica, talvez seja altura de perceber que o segredo está em atrair talento para o clube, em lhes dar depois as condições necessárias (onde se inclui tranquilidade e competência) para que possam evoluir e potencializar as suas características. Isto é válido para jogadores, mas também para dirigentes, tendo o rival nos seus quadros pessoas que eram adeptas do Sporting e competentes como é o caso de Domingos Soares de Oliveira. Deixe de ser bacoco e de visões curtas, que quem perderá será sempre o clube. A cultura de ódio que se está a instalar na sociedade em relação ao Sporting e que extravasa já os adeptos dos principais rivais, deveria dar que pensar a qualquer pessoa sensata. Mas infelizmente não é esse o caso de quem actualmente ocupa o lugar de presidente da nossa instituição. Quem semeia ventos colhe tempestades… neste caso mais se poderá dizer que quem semeou tempestades poderá colher um furacão.
 
 
 
PS: em outro post irei abordar as perspectivas que se levantam para a nova época. Já agora, gostaria de reafirmar que nada me daria maior alegria a mim e aos meus companheiros deste blog, do que vir celebrar vitórias e sobretudo títulos do clube, por muito pouco que confie nesta Direcção para nos conduzir ao sucesso. O Sporting está sempre acima de tudo. Espero ainda poder vir a comemorar no andebol (excelente vitória na primeira mão da final da Taça Chalenge), no futsal e nos escalões jovens do futebol, num fim-de-semana que até nos correu de feição em termos de resultados. Endereço os meus sinceros parabéns às campeãs de futebol feminino e de rugby e aos nossos juvenis e iniciados que venceram os rivais no futebol.
 
Aos nossos leitores, dizer-lhes que são livres de discordar ou concordar do que aqui dizemos, mas nada nos desviará do caminho que escolhemos: defender genuinamente aquilo que no nosso entender, são os superiores interesses da instituição Sporting Clube de Portugal.
 
Sporting sempre!

Autoria e outros dados (tags, etc)

20170320.jpg

 

Ser do Sporting tem sido quase sempre assim… iniciar uma nova época com esperança, ver esse ânimo e crença ir diminuindo progressivamente até que se converte numa desilusão e na nossa resignação mais ou menos habitual. Apenas tem variado a altura em que normalmente deixamos de acreditar. Uma vezes era o tão famigerado Natal, outras um pouco mais tarde… como na época passada em que estivemos quase até à última jornada com a ideia de que era possível, embora para muitos a derrota em casa com o Benfica possa ter representado o canto do cisne em termos das nossas aspirações ao desejado título de campeão nacional.

 

Passa assim ano após ano, em que ficamos um pouco mais velhos, em que os nossos filhos a quem tentamos transmitir o gosto por este fantástico clube, também ficam mais velhos e continuamos a ver os outros ganhar o que devia ser nosso. Os outros adeptos a fazerem a festa e nós a assistir.

 

E depois perguntamo-nos muitas vezes “porquê?” Porque temos como sina ver os grandes jogadores, que formamos e desenvolvemos, triunfar em outros clubes? Porque abrimos caminhos como a aposta no eclectismo, que depois os outros vêm copiar e onde também vêm festejar títulos, como no andebol e hóquei, modalidades em que tínhamos e temos grandes tradições?

 

A essência do desporto é competir e tentar vencer. Nós não temos conseguido vencer muitas das vezes. Claro que temos várias medalhas e títulos para festejar, mas nas modalidades colectivas e em particular no futebol, o registo tem sido muito mau, abaixo do desejável e do que um clube como o nosso merece.

 

Vem todo este arrazoado a propósito deste fim-de-semana.

 

Assistimos aos jogos dos rivais e interrogamo-nos como é possível estarmos (antes do início da jornada) a 12 e 11 pontos de diferença deles? Equipas que jogam de forma medíocre, com dois treinadores medianos e sem brilho e no entanto esta época estiveram muito acima de nós…

 

O que é certo é que o Benfica teve uma escorregadela, que não aconteceu na época passada nas últimas nove jornadas quando estavam a disputar o campeonato connosco, mas o Porto não teve a capacidade de a aproveitar. Podemos até pensar que o Sporting da época passada, tirando um período entre Janeiro e Março que nos foi fatal, exibiu um futebol que ainda ninguém mostrou esta época. Mas isso de pouco nos vale agora.

 

Na próxima jornada há um clássico, que será importante para o desfecho do campeonato. Uma vitória do Benfica significará tornar quase certo um tetra inédito para aquelas bandas, um empate deixa-os mais dependentes do jogo connosco e uma derrota caseira (cenário que parece menos provável) poderá aí sim dar um alento ao Porto que os leve a vencer o campeonato.

 

Nós vamos assistindo a isto de longe, com a tal resignação de sabermos que estamos fora disto, por culpa de uma época miserável, em que o bom futebol não quis nada connosco e os resultados também. Depois de um jogo bem conseguido contra o Tondela, regressámos ao registo habitual de mediocridade no jogo com uma das equipas mais fracas da Liga, o Nacional. Valeu o inevitável Bas Dost e pouco mais se viu. Claro que há quem faça contas mirabolantes com pontos perdidos por parte dos rivais e um registo imaculado nosso até final e que até parece acreditarem num milagre. Pois deixem lá o mundo das fábulas e pensem só nisto: são DOIS rivais para recuperar pontos e precisamos que percam 19 pontos e que nós não percamos nada até final. Ou seja, que percam mais pontos nestas 8 jornadas do que até aqui e que ambos os percam. Portanto, vamos lá cair na realidade crua e dura…

 

Então o que nos resta? Bem, para já que tal brindar os adeptos que continuam a ir a Alvalade, mesmo com a época perdida, com boas exibições? Em lhes servir alguma esperança para a próxima época, com apostas em jogadores que possam evoluir e dar-nos alegrias? É que só nos resta isso e tentar ganhar todos os jogos até final, encurtando distâncias para os da frente e em particular para o segundo classificado. Com um discurso positivo, a apelar ao melhor que existe nos sportinguistas e a estimular a nossa fé em que melhores dias virão e já na próxima época, deixando de lado os egos e as bazófias que nunca fizeram parte do nosso ADN… Fazendo crescer a ideia de que neste defeso contrataremos de forma acertada e ponderada, para as lacunas do plantel, em que à cabeça surgem os laterais, não o fazendo à toa e indo buscar jogadores em baixa em outros clubes, apostando numa redenção miraculosa em Alvalade… Apostando na Formação, de onde tanto talento tem vindo e onde temos Iuri, Podence, Geraldes, Domingos Duarte, Palhinha, só para citar alguns e complementando-os com a dose de experiência e categoria necessária para os enquadrar devidamente… Construindo uma estrutura a sério para o futebol, não demasiado dependente do treinador e em que o critério major seja a competência e a boa interligação entre os vários elementos e sectores… Será assim tão complicado?

 

Abro um parêntesis para Leonardo Jardim e o seu Mónaco. Simplesmente espectacular o trabalho que o treinador português está a desenvolver no principado. A contratação deste treinador para o Sporting constituiu uma das medidas mais acertadas de Bruno de Carvalho. Recuperou a equipa de futebol, construiu as bases dos anos seguintes e mostra agora o que poderia ter sido o seu percurso no Sporting e do nosso clube se tem ficado para um projecto a médio prazo. Nunca se queixa dos jogadores que não tem e que não é possível contratar (veja-se que mesmo quando foi para o Mónaco, teve de começar quase do zero…), não fala de arbitragens, respeita os adversários e revela uma enorme competência a desenvolver jogadores jovens. Mas pronto, não vale a pena falar mais nisso, porque saiu ao fim de uma época. Nem vou especular porque saiu e vou aceitar como boa a tese de que só saiu pela proposta ser irrecusável e não porque existisse algum mal-estar com a Direcção.

 

O treinador que temos é Jorge Jesus, que ganha um ordenado altíssimo e a quem estamos amarrados. Agora resta pressionar o treinador a ganhar, numa altura em que vai para a terceira época connosco e apenas tem uma Supertaça para apresentar como conquista. A nossa estrutura e o treinador têm de estar à altura do que o nosso clube e os adeptos merecem.

 

E não deixa de ser irónico ver alguns “grandes” sportinguistas no Facebook e nos blogs a queixarem-se dos adeptos do Sporting… porque ousam criticar a falta de qualidade de jogo da equipa. Imagine-se o descaramento deles! Porque estes adeptos querem ganhar e não apenas ouvir dizer que o vamos fazer e depois isso não se verificar. Porque acham que uma vez que continuam a ir ao Estádio, mesmo sem objectivos decentes para alcançar, merecem ao menos bons espectáculos. Porque acreditam na matriz e princípios do clube e continuam época após época a ver o seu presente de glória adiado. E depois vemos os adeptos de um clube que é tricampeão a dizerem neste fim-de-semana que o campeonato está perdido, após uma escorregadela e a criticar o seu treinador. Vemos o Dragão cheio, mas apenas porque neste fim-de-semana podiam assumir a liderança no campeonato. E depois questionamo-nos: esta gente que critica os outros sportinguistas não se enxerga e não tem vergonha na cara? Se alguma coisa 86% dos sócios têm "culpa" é de votarem em quem os elege como bode expiatório dos insucessos em 86% das ocasiões…

Autoria e outros dados (tags, etc)



Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D