Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Sporting é a paixão que nos inspira. Não confundimos competência com cultos de personalidade. 110 anos de história de um clube que resiste a tudo e que merece o melhor e os melhores de todos nós. Sporting Sempre

15
Mai17

O famoso romance queirosiano Os Maias (pessoalmente o de que mais gosto do tio Eça) possui uma das cenas mais inspiradas da literatura portuguesa: o jantar no Hotel Central, ao Cais do Sodré (que já nem existe). Antes da fabulosa cena apoteótica entre o titã realista João da Ega e o vate romântico Tomás de Alencar, os comensais discutem a saúde financeira do país. A dada altura:

“Carlos não entendia de finanças: mas parecia-lhe que, desse modo, o País ia alegremente e lindamente para a bancarrota.

- Num galopezinho muito seguro e muito a direito – disse o Cohen, sorrindo.”

Peço, desde já, desculpa aos leitores mais impaciente por este intróito literário. Peço também desculpa pelo meu longo silêncio neste espaço. Senti apenas a inutilidade do meu esforço. Hoje, contudo, a ocasião é demasiado urgente para continuar calado.

Não, não pretendo dissertar acerca da (reconhecidamente débil) saúde financeira do Sporting. Não, não pretendo aprofundar a dor de que todos já padecemos. O conceito de bancarrota que serve de mote a este texto é de natureza moral. O Sporting foi ontem destituído de qualquer autoridade moral que ainda lhe restava. O Sporting consumou ontem a sua bancarrota moral.

Por 5 vezes o Sport Lisboa e Benfica foi impedido de chegar ao tetracampeonato. 2 delas pelo Futebol Clube do Porto. 3 delas pelo Sporting, a última das quais especialmente saborosa porquanto foi coroada por uma dobradinha no precioso ano de 1974 e com a marca até hoje inigualada de Hector Yazalde, cifrada nos 46 golos.

Durante 48 anos (1954-1998) tal marca foi pertença exclusiva do nosso querido Sporting Clube de Portugal. Sofremos a indignidade de ver o Futebol Clube do Porto a igualar-nos e, no ano seguinte, a transcender esse feito. Ontem, o nosso maior rival entrou, por mérito próprio, no mesmo clube de tetracampeões, garantindo, no mesmo jogo, o 3º lugar ao Sporting Clube de Portugal. Haverá maior humilhação que esta? Ganham-nos o campeonato, empurram-nos desdenhosamente para fora da luta e, como prémio de consolação, ainda nos dão o chocolate da pré-eliminatória da Champions.

Quanto a vós não sei, mas ontem foi o dia mais triste que já vivenciei como sportinguista. Mais que a final da Taça UEFA desgraçadamente perdida em nossa própria casa. Mais que Maio de 2013, há precisamente 4 anos, com a confirmação de um miserável 7º lugar. É que, em 2005, ainda se lutava. Em 2013 sabíamos que era uma questão de tempo até algo mudar.

Desta vez, é mais grave… Estamos pior do que nunca, mas não há mudança à vista… Serão os próximos 4 anos iguais aos que nos foram infligidos até agora? Continuará a desculpabilização?

É que, não sei se se aperceberam, mas o Benfica ganhou em toda a linha. E ganhou porque é melhor em toda a linha. Porque é demasiado poderoso para não ganhar. Pode não ter melhor treinador, mas tem melhores jogadores. Pode ter um ladrão condenado e alegado traficante como Presidente, mas tem Domingos Soares de Oliveira como administrador de topo da SAD. Pode ter Pedro Guerra como bandarilheiro encartilhado, mas tem Rui Costa como Director Desportivo. Pode ter a porta 18, mas faz negócios como ninguém em Portugal, ao nível do marketing. Pode estar refém de Jorge Mendes, mas ainda consegue jogadores do calibre de Jonas. Pode enfiar barretes como Renato Sanches, mas tem o Seixal que, neste momento, vence em toda a linha quaisquer infra-estruturas que tenhamos em Alcochete. Podem até nem ganhar em futsal, mas ganham em hóquei, em voleibol e, brevemente, serão mais competitivos que nós em andebol, outra modalidade histórica do Sporting onde a incompetência passa por “bloqueio mental”.

Eles desforraram-se deliciosamente de nós em cada canto. O Sporting não lhes pode apontar nada. O Sporting está a braços com uma bancarrota moral que não lhe permite arrecadar louros de nada. Bate recordes negativos uns atrás dos outros. No entanto, o mais grave mesmo é a falta de perspectiva de melhoria. O futuro é sombrio porque nada vai mudar. Os erros repetir-se-ão. A desresponsabilização continuará. O Sporting não tem tempo a perder e, no entanto, continuará a perdê-lo.

Talvez conviesse demonizar menos e trabalhar mais. Seguir o bom exemplo alheio. Começar por baixo. Construir pela base. Profissionalizar. Servir o Clube. Por ora, apenas miséria nos aguarda. Miséria alicerçada em passadismo. À semelhança de tudo neste Sporting, não basta afirmarmo-nos, temos de o demonstrar. Até lá, seremos sempre um clube de ocasião que, de quando em vez, faz uma gracinha.

Para quando, Sporting? Para quando competitividade a sério? Para quando cumprir-se o Clube?

Sporting Sempre

PS: Perdoem-me o texto desconexo. Brevemente lançarei um texto mais estruturado acerca dos vícios e problemas estruturais do Clube a que urge fazer face.

20271819_jbBPN.jpeg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

06
Abr17

O vício das queixinhas

por Krassimir

queixinhas.png

Após a saída de Jorge Jesus do Benfica e a sua confirmação como treinador do Sporting, o Benfica interpôs um processo a Jorge Jesus, reclamando uma indemnização de 14 milhões de euros, a qual representaria um euro por cada benfiquista (contabilidade em que devem entrar os nascidos, já falecidos e os que ainda estão por nascer…).

Todos nos recordamos de na época passada o Sporting ter vivido uma parte significativa dos jogos sob o espectro do castigo a Slimani, depois deste ter dado uma cotovelada a Samaris, numa partida com o Benfica, falta que não foi sancionada durante o jogo por Jorge Sousa. Muito se discutiu, primeiro se existia moldura para castigo ou sumaríssimo e depois qual seria o castigo a aplicar, após o Benfica ter feito queixa do Sporting.

Além disso, o clube rival fez também queixa de Bruno de Carvalho, por afirmações suas sobre Vítor Pereira em que dava a entender que este não era imparcial na sua actuação como presidente da APAF, facto que viria a resultar no castigo recente aplicado ao presidente do Sporting de 113 dias de suspensão.

Houve ainda uma outra queixa contra o Sporting, sobre Gauld e Geraldes e a sua saída do Vitória de Setúbal nesta época, num processo nada dignificante para o nosso clube e ainda hoje por explicar, denunciando a quebra de regulamento por parte do emblema de Alvalade, com base no ponto 5, do artigo 78.º, que no fundo impediria o termo do contrato de cedência.

Como se compreende, nos dois últimos casos, o Benfica nem sequer era parte directamente envolvida e mesmo assim decidiu fazer queixas do Sporting. Sem dúvida que isto coloca em causa a tese que é advogada pelos comentadores e paineleiros benfiquistas de que não se preocupam com o Sporting e que o Benfica tem uma postura pacificadora e que não provoca ninguém.

E perante isto o que fez o Sporting?

Além de dedicar grande parte da sua Comunicação e intervenções do seu presidente a falar do Benfica, respondeu à queixa contra Slimani, identificando cinco agressões dos jogadores encarnados sobre os seus jogadores e invocando ainda um empurrão de Jardel a Raul José.

Foram também elaboradas queixas sobre o caso dos vouchers que chegaram inclusive à UEFA.

Em Dezembro de 2015 fez queixa na Liga contra Rui Gomes da Silva, na altura elemento da direção do Benfica, Rui Costa, administrador da Benfica SAD, João Gabriel, então director de comunicação do Benfica e Benfica SAD, e Pedro Guerra pelas declarações que foram fazendo.

Mais recentemente, em fevereiro de 2017, foi feita queixa contra Rui Vitória devido à sua presença na flash interview da RTP, após a derrota com o Moreirense na final da Taça da Liga, depois de ter sido expulso já após o apito final.

E por fim, surgem agora sete queixas contra o rival, já depois da suspensão de BdC, no que parece ser uma resposta a esse castigo, envolvendo: 1) Agressão de Jonas a Nuno Espirito Santo, 2) Processo contra Samaris por agressão a Alex Telles, 3) Queixa contra Rui Vitória por palavras na Conferência de Imprensa, 4) Queixa contra Domingos Almeida Lima (nº2 do Benfica) por declarações no dia 23 Março em Abrantes, 5- Contra Luis Bernardo (director de comunicação) por causa do comunicado da gala das quinas de ouro, 6) Contra o Benfica por declarações antes dos jogos, 7) Queixa no IPDJ por causa do apoio do Benfica às claques não oficiais.

Não pretendendo que esta lista seja exaustiva, pois ainda existiram mais queixas, dá bem para entender ao estado de insensatez a que se chegou e talvez se comece a perceber a crispação que se vive actualmente no desporto em Portugal e em particular no futebol, que se calhar só irá parar ou atenuar-se quando ocorrer alguma tragédia. Só que normalmente nestes casos são os adeptos que sofrem a irresponsabilidade dos dirigentes, que acabam por assobiar para o ar enquanto vão imitando o imperador Nero, vendo Roma a arder, depois de a terem incendiado.

É tempo de dizer basta! Não vamos a lado nenhum desta forma. Obviamente que não há inocentes, mas começa a ser gritante a loucura de todos.

E naquilo que mais nos preocupa e nos envolve directamente, há uma grande falta de coerência. Como podemos ter um presidente que acusa o rival de querer ganhar o campeonato das queixinhas e depois produz sete queixas contra o Benfica ou elementos ligados a esse clube, ainda por cima envolvendo casos que ocorrem num jogo com o Porto, que não nos diz respeito e cobrindo situações que este clube nem sequer entendeu usar da mesma forma? O Porto, que é um clube grande, poderoso e com recursos, precisa que o Sporting seja seu advogado de defesa? Claro, que o que se pretende é atingir o Benfica, mas vale tudo para isso, incluindo a perda da nossa identidade e colarem-nos ao Porto e aos seus interesses?

E que vamos ganhar com isto? Esperamos que Jonas e Samaris sejam castigados e não joguem contra nós? A sério? Mas alguma vez a decisão seria dessa forma ou mesmo com a rapidez necessária para que isso acontecesse?

Claro que há adeptos que exultam com isto e vêm com a máxima de “olho por olho, dente por dente”. Pois, se calhar o resultado disto é ficarmos todos cegos e desdentados… e o pobre futebol português lá vai cada vez mais perdendo competitividade e prestígio.

Queremos ser diferentes e contribuir para a elevação ou achamos que temos de jogar ainda mais baixo do que o rival? Queremos ser selectivos, atacar de forma inteligente e vibrando golpes certeiros, salvaguardando os nossos valores e a nossa diferença ou o que interessa é disparar para todos os lados, desvalorizando o peso da nossa palavra e das nossas acções? Queremos ser os espalha-brasas do futebol nacional, ou pretendemos dar um bofetada de luva branca nos rivais deixando-os sozinhos na lama e atacando-os de uma forma bem mais eficaz?

E por fim… onde nos tem levado esta guerra feita de forma cega e sem estratégia de fundo, sem que se arranjem aliados que nos possam suportar e sem consolidar o clube e a sua voz no desporto? Será este o caminho? Ou pretende-se apenas desviar as atenções daquilo que verdadeiramente interessa, que é a competitividade da nossa equipa, a constituição do plantel e a forma como se vai preparar a próxima época, enquanto continuamos alegremente a coleccionar derrotas dentro e fora do terreno de jogo?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

21
Fev17

mais-menos-orgulhosamente-sos.jpg

 

 

Estamos a chegar ao final de uma campanha que é um autêntico case study. Nunca na vida do Sporting se debateu tão pouco o futuro e o presente do Clube e da SAD em detrimento da vida e da personalidade dos candidatos.



Esta forma de fazer campanha é sintomática do estilo aplicado nos últimos anos. Desde 2011 que o Sporting se começou a fraturar internamente. O Sporting é hoje um clube altamente dividido, sem poder e completamente à deriva e à mercê de investidores desconhecidos e dos devaneios de um Presidente que assumidamente dividiu para reinar e construir uma carreira e claro uma carteira.



Mas vamos navegar pelos três universos que vão a votos. Presidente e equipa, Mesa da Assembleia Geral e Conselho Leonino. Se para a presidência a luta começa a ganhar contornos de ser mais disputada que há semanas passadas, as candidaturas para a Mesa e para o Conselho Leonino podem ser uma grande surpresa.



Marta Soares é para uma grande maioria um dos piores Presidentes de sempre, a par com Eduardo Barroso. Ambos bailarinos e bipolares, navegam mediante interesses próprios e até obscuros como foi explicado por Daniel Sampaio numa entrevista que deu há uns anos.



Marta Soares não sabe nem quer saber. Tem uma atitude que roça até o nível saloio e não compreende os estatutos, que curiosamente, é o presidente do órgão que os deveria obrigar a cumprir. O exemplo dos Cadernos Eleitorais é mais um triste episódio num Sporting cheio de dramas e de cenas muito tristes nos últimos anos.



Este é um órgão de grande importância. A candidatura de Rui Morgado pela Lista de Pedro Madeira apresenta-se como uma grande e óbvia alternativa à incapacidade e desnorte de Marta Soares. Aqui a mudança é quase obrigatória.



No Conselho Leonino temos três listas a votos. De enaltecer a Lista que somente vai a votos para este Órgão Consultivo. Sportinguistas anónimos, gente de estádios e pavilhões, gente educada e presente, gente que teve a coragem e acima de tudo, cumprem com o seu dever e obrigação de se fazerem ouvir e de se apresentarem como alternativa. Na minha opinião vão ter um bom resultado, e verdade seja dita merecem.



Por outro lado a Lista da candidatura de Bruno de Carvalho é um filme de terror. O regresso dos “cancros” ao Sporting. Cancros foi o termo utilizado pelo próprio presidente para denegrir Ricciardi e outros antigos dirigentes que agora se apresentam e andam aos abraços por Alvalade. O que hoje é verdade amanhã é mentira, e verdade seja dita, esta lista ao Conselho Leonino é para rir, pois esta gente não merece uma lágrima que seja.


E claro, olhemos para os dois candidatos, Pedro Madeira e Bruno de Carvalho, dois jovens, e o Sporting precisa desta juventude. Bruno de Carvalho teve quatro anos para se adaptar, para aprender, para se enquadrar com a responsabilidade que é ser Presidente de um Clube como o Sporting Clube de Portugal. Mas tarda em perceber e comportar-se como tal. O Clube está fraturado, os adeptos combatem entre si, há ameaças, há processos, há um tom baixo e sem perfil institucional. O Sporting é hoje um Clube gerido ao balcão da taverna, onde tudo se resolve com ataques ao rival Benfica, que para nossa tristeza, vai a caminho de quatro títulos em quatro anos de mandato de Bruno Carvalho. Nas modalidades e no futebol o terror é o mesmo. Muito dinheiro aplicado, e poucos ou nenhuns títulos. O Pavilhão tem mérito de Bruno, mas não podemos esquecer todo o trabalho feito pelas anteriores Direções no processo de resolução de terrenos e licenças com a autarquia. Sem estes processos nada aconteceria. Mas Bruno construiu, está quase pronto, e todos queremos que seja uma casa que muitas alegrias nos ofereça.

 

Pedro Madeira é o challenger destas eleições. Avançou sozinho num momento em que o Sporting estava ainda a lutar para vencer praticamente todas as competições. Sozinho foi conquistando apoios, garantindo votos, tem hoje uma Lista composta por antigos dissidentes de Bruno de Carvalho e de gente que muito deu ao Sporting e ao desporto nas ultimas décadas. Esta é uma Lista que deve ser bem avaliada e bem ponderada. Não é um capricho, é efetivamente um conjunto de Sócios muito válidos e preparados para alterar o rumo do Sporting nos próximos anos.



Pedro Madeira tem vindo a subir na sua confiança e notoriedade entre os Sócios. A poucas horas do Debate, se Pedro Madeira se conseguir afirmar definitivamente perante a plateia Leonina, tudo pode acontecer no dia 4 de Março. Pedro Madeira tem ainda trunfos na manga, como os investidores, sponsors, treinador e diretor desportivo. Ao que se vai ouvindo todos estes nomes serão fortes, e tudo será provado e comprovado de forma efetiva sem show mediático mas sim no sentido de começarem a trabalhar logo no dia 5.



O episódio do despedimento de Jorge Jesus foi mais um ato de coragem do candidato. E uma grande maioria tem esse desejo. E acredito que não será difícil chegar a esse acordo. Jorge Jesus está intimamente ligado a muito do que se passou nos últimos dois anos no departamento de futebol. Esteve nos negócios, nas compras, nas vendas, e isso pode ser o ponto de partida para colocar o lugar à disposição. Jorge Jesus pode ter muitos defeitos mas continuo a acreditar que e um Homem de caráter, do Sporting e que tem todas as qualidades para dar o salto para outro campeonato. Jorge Jesus sairá pelo seu próprio pé, pois perderá a confiança da direção e claro, perderá a confiança de quem realmente tem e deve ter o poder, os Sócios e Adeptos.


O Sporting está numa fase critica. Não é de agora. Mas vivemos atualmente de uma fraqueza enorme para os nossos rivais. Bruno de Carvalho dividiu o Clube, criou um conflito interno para governar. Se Pedro Madeira conseguir aproveitar esta fraqueza sairá vencedor das eleições. Bruno está desgastado, desacreditado, refém de um treinador autista que renega de forma perentória o nosso ADN de clube formador. E claro, o aumento brutal de emissão de VMOC´s, processo tão criticado por Dias Ferreira no passado e que agora evita tocar ou explicar aos Sócios e Adeptos o problema que temos entre mãos. O Clube e a SAD estão no limbo, continuam na mão da banca e de investidores. Os empresários de jogadores não nos consideram, a Federação de Futebol, a Liga de Clubes e a APAF não nos respeitam.



Um Clube orgulhosamente só só pode ter um destino. Ir definhando e desfalecendo sozinho, jogo após jogo, decisão após decisão até ao tombo final, que muito nos irá custar. Reerguer este Clube é uma missão de todos os associados e adeptos, que comece já no dia 4 com um voto de consciência. Basta! O Sporting não é isto.

Autoria e outros dados (tags, etc)


editado por Ivaylo a 25/2/17 às 11:27

Coach.png

 

Quando se iniciou o mandato de BdC no Sporting, os pressupostos passavam por manter uma aposta na formação, que sempre foi a matriz do clube e em adequar o treinador aos princípios e interesse do Sporting. Este propósito foi aliás bem explícito no seu programa eleitoral:

 

BdC1.jpgBdC2.jpgBdC3.jpg

 

Para quem considera que foi a aposta na formação o que nos impediu de obter títulos, talvez fosse bom antes refletir quais os jogadores, com origem no Sporting, que mais se distinguiram no futebol e se vieram maioritariamente da formação ou de contratações... o problema do Sporting sempre foi, não a aposta na formação, mas a fraca qualidade da esmagadora maioria das contratações realizadas e o facto de não conseguir rentabilizar da melhor forma os talentos da formação no plano desportivo e financeiro. E isso, na verdade, mudou com esta Direcção, que não deixou sair precocemente os jogadores mais promissores da formação. Já na questão das contratações o desastre continuou com mais de 100 jogadores contratados e com muito poucos a justificarem a sua aquisição.

O primeiro treinador escolhido, Leonardo Jardim, encaixou que nem uma luva nesta filosofia, personificando um técnico competente, que gosta de trabalhar com jovens e de os desenvolver – veja-se o esplêndido trabalho que está a assinar no Mónaco – e que teve ainda o mérito de construir uma equipa competitiva e de baixo orçamento, erigida sobre os escombros da época em que ficámos em 7º lugar.
Infelizmente não ficou para nova época e após a sua saída, contratou-se Marco Silva e ao mesmo tempo, fez-se uma primeira alteração no paradigma do Sporting. Apostou-se em jogadores jovens, mas na grande maioria estrangeiros, alguns ainda assim com custos de aquisição a rondar os 2-4 milhões de euros na expectativa de que se viessem a desenvolver e a valorizar. Passados 2 anos já decorreu tempo suficiente para podermos concluir que dificilmente algum deles virá a dar mais-valia financeira ou desportiva ao Sporting. Nesta segunda época e sem ainda existir qualquer estrutura organizada para o futebol digna desse nome, achou-se que o treinador não devia ter qualquer voto nas aquisições, as quais, pelo que se sabe, foram decididas por Bruno de Carvalho e Inácio, pedindo-se ao treinador que apresentasse uma equipa competitiva com base nas mesmas. Mesmo com lacunas evidentes, como foi o caso dos centrais (recorde-se que fomos jogar à Luz com Sarr e Maurício por exemplo) e em outros sectores, achou-se que foi o treinador quem não rentabilizou de forma devida os jogadores contratados, que se acreditava possuirem assim elevado potencial.


Embora não o admitindo publicamente, é lícito supor que a Direcção percebeu o erro cometido na composição do plantel nessa época e ao contratar Jorge Jesus, um treinador que era acusado justamente de não apostar na formação no Benfica, mudou-se a filosofia ainda mais radicalmente. Por um lado porque o treinador gosta de ter voz activa em tudo o que se relaciona com o futebol e por outro porque o Sporting não tinha estrutura alguma preparada para esse efeito. Assim foi Jorge Jesus que ficou não apenas como treinador, mas como responsável pelo scouting e pela decisão das contratações. Entretanto e ao que parece a pedido de JJ, foram também recrutados Octávio e Manuel Fernandes (que tinha sido dispensado do clube no início deste mandato) cujo papel e funções no Sporting actual são muito pouco claros. Já no Benfica tinha algum papel nessa escolha, mas nunca com a liberdade e poderes que passou a ter no Sporting. Ainda assim, as contratações da época passada tiveram algum aproveitamento, como foram os casos de Bryan Ruiz, Bruno César, Teo Gutierrez (pelo menos enquanto quis jogar), João Pereira e Naldo. Claro que existiram flops como Aquilani, Barcos (!), entre outros, mas o saldo até foi positivo. E ainda se deu oportunidade a jovens da formação como Rúben Semedo (embora por necessidade devido à falta de centrais fiáveis) e Gelson, por exemplo.


À entrada para esta época, Bruno de Carvalho decide prolongar o contrato do treinador Jorge Jesus, facto que deverá ter comportado novo aumento de ordenado em relação ao anterior, o qual era já de 5M/ano, tal como divulgado pelo site Football Leaks. Ficou a ganhar no mínimo 6M/ano (há quem fale de 8M...) e isso tem como consequência, que se o Sporting pensar em o despedir, tenha de lhe pagar os ordenados que faltam para o resto do contrato, o que poderá totalizar de 15-20M de euros. Nunca o clube esteve desta forma amarrado a um treinador. Uma aposta arriscadíssima que diminui o campo de manobra desta Direção e da próxima, seja com este ou outro presidente. Para agravar tudo isto, a aposta nas aquisições desta época, constituíu um rotundo fracasso, muitas delas de custo elevado e sem mais uma vez se colmatar a principal lacuna que são os laterais, o que ainda continua por fazer e se agravou ainda mais, com a saída recente de João Pereira. Dos atletas contratados, apenas se revelaram verdadeiros reforços Dost, Beto e Campbell (empréstimo). Entretanto dispensaram-se vários dos nossos jovens que ficaram tapados pelas contratações que afinal nada acrescentaram à equipa. Pelos vistos, agora vai tentar emendar-se a mão no tal falado emagrecimento do plantel…


Mas voltando ao tema do post… deve o treinador enquadrar-se na estrutura ou o treinador é que deve decidir tudo na estrutura? Como todos nos recordamos, o Porto alicerçou o seu domínio no futebol português numa estrutura fortíssima, com contratações baratas e de jogadores talentosos que depois eram bem rentabilizados, algo que era facilitado pela boa carreira da equipa interna e externamente. Além disso, o factor arbitragens era mais que favorável aos interesses dos portistas e tudo funcionou a contento durante 3 décadas. Chegava a dizer-se que qualquer treinador chegaria ao Porto e arriscava-se a ser campeão. E era verdade. Mais recentemente, o Benfica, depois de uma primeira vitória de JJ, começou a ser cada vez mais influente nos órgãos de decisão, quer em termos de arbitragem quer na Federação. Tanto assim foi, que se começou a falar em "colinho". E mesmo depois de JJ sair, Rui Vitória continuou a ganhar e pôde mesmo rentabilizar alguns jovens da formação. Este treinador encontra-se assim inserido numa estrutura ganhadora e eficaz, que além da influência que tem nos órgãos de decisão, passa uma mensagem única e forte aos media, ataca de forma impiedosa e selectiva os rivais e sobretudo o Sporting, o qual apenas responde no Facebook pelo presidente ou por Nuno Saraiva ou ainda em blogs afetos ao clube, de forma desorganizada e pouco eficaz. Ou seja, mais uma vez há no rival uma estrutura forte e que, embora dê todas as condições ao treinador para triunfar, está bem para lá dele. No nosso caso... preferimos alguma histeria e falta de selectividade na resposta que damos ao rival, ficando até sobre o Sporting e os seus dirigentes o ónus de serem os incendiários e os provocadores e não exercemos qualquer influência nos órgãos que verdadeiramente são determinantes no futebol português.


Portanto, é fundamental ter uma estrutura coesa e sólida. E o que se entende por estrutura? Um todo organizado com papéis bem definidos e articulados entre Presidente, Comunicação, treinador, scouting, relações com empresários e outros clubes, lobbying junto dos órgãos de decisão e da Comunicação Social. Para além disso, a estrutura forte sobrevive facilmente ao treinador, aquela em que o treinador é o único decisor desaparece ou com o seu falhanço ou saída.
Urge pois repensar todo o modelo do futebol e posicionamento do Sporting no panorama nacional. Algo que não foi feito do melhor modo em 4 anos de mandato, que até deu sinais de ter piorado com o desgaste da imagem e do discurso do presidente e que terá obrigatoriamente de ser feito pelo próximo presidente do Sporting, seja ele o actual ou corporizado numa alternativa. Infelizmente este desiderato encontra-se bastante dificultado pelo contrato ainda em vigor com este treinador, ao qual foram conferidos poderes muito alargados e que está escudado por uma indemnização pornográfica.

Autoria e outros dados (tags, etc)


editado por Ivaylo a 25/2/17 às 12:03



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D