Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Sporting é a paixão que nos inspira. Não confundimos competência com cultos de personalidade. 110 anos de história de um clube que resiste a tudo e que merece o melhor e os melhores de todos nós. Sporting Sempre

03
Mai17

A Liga dos pirómanos

por Krassimir

BOLA EM CHAMAS.png

 

A poucas jornadas de o Benfica celebrar  – ao que tudo indica – um inédito tetra vão-se multiplicando os sinais de completo desnorte, despudor e falta de bom senso que os dirigentes dos principais clubes vão fazendo questão de demonstrar ad nauseam.
Dentro de campo, o nível de futebol praticado tem sido na maioria dos jogos bastante pobre. O líder do campeonato, lá vai conseguindo ganhar jogando de forma medíocre, sem chama, mas no final os 3 pontos é que interessam, como se viu no último jogo com o Estoril.
O Sporting ganhou em Braga, merecidamente, mas ainda assim com sobressaltos, que só a eficácia de Dost e a irreverência de Podence conseguiram ultrapassar.
O Porto consegue manter a ilusão mais algum tempo, derrotando um adversário (Chaves) que já lhe causou amargos de boca nesta época, mas está muito longe de convencer.
Mas é fora do campo que o “espectáculo”, representado por um outro campeonato de baixaria e de guerra aberta, continua a todos os títulos deprimente.
LFV, com a pose e o cinismo habituais, descarta responsabilidades e decide avançar com propostas, em que se destaca a penalização com a retirada de pontos aos responsáveis de clubes que ousem criticar a arbitragem. Claro, que quem tem uma rede bem montada de comentadores e paineleiros não precisa de falar mal da arbitragem na primeira pessoa, como já fez várias vezes no passado. Aliás, quem neste momento sente que não tem propriamente a hostilidade dos homens do apito – apenas para usar um eufemismo - conviverá bem com este tipo de regras. Mas não me parece que isto tenha pernas para andar. Em primeiro lugar, porque qualquer profissional está sujeito a críticas, seja na política, no desporto ou em qualquer ramo de actividade. Era o que mais faltava que não se pudesse criticar o trabalho de um árbitro ou de qualquer outro profissional... A lei do silêncio, ou censura nunca será resposta, o que não invalida que algo tenha de se fazer para pôr cobro a este deplorável estado de coisas. Além disso, os clubes que têm milhões de adeptos não devem ser penalizados pelo destempero verbal dos seus dirigentes. E por último não me parece provável que esta proposta colha o apoio dos clubes em geral, para além da boa receptividade que pelos vistos a directora-executiva da Liga, Sonia Carneiro, lhe atribuiu.
O Sporting avança com o pedido de penalização aos comentadores televisivos pelas suas declarações. Aqui será complicado porque também estamos no domínio da livre expressão individual, sendo muitas vezes difícil demonstrar a responsabilidade dos clubes no discurso destes personagens, embora ela seja infelizmente uma realidade. Ao mesmo tempo pede uma cimeira, com vários agentes, desde presidentes de clubes, a dirigentes federativos, passando por governantes e diretores de canais de TV.
E isto tudo ainda antes de terminar a época... dando um tal espectáculo, que até o El Pais LINK, através de um artigo do seu correspondente em Lisboa, já publicou uma notícia a denunciar os presidentes do Sporting e do Benfica, como incendiários.
Então o que fazer? Tal como dois meninos mal-comportados, ou estes dois senhores e respetivos acólitos, tomam juízo, ou alguém tem de os colocar de castigo... Está na hora dos governantes começarem a endurecer a legislação, a pressionar a Federação e a Liga para tomarem medidas. Tem de se acabar com o clima belicista, de autêntico far-west que impera no futebol português.
Os canais de TV e os directores de jornais, sobretudo os desportivos, mas também outros, têm de ser chamados à responsabilidade, quando em vez de contribuírem para serenar os ânimos, são também grandes culpados por esta completa vergonha.
Mas não podem ser os réus de toda esta situação a arvorarem-se o direito e a legitimidade de assumirem a bandeira do pacifismo e da regeneração do futebol. Não podem ser os mesmos a atirarem pedras, esconderem a mão e depois pedirem penas para quem agride. Isto não faz sentido nenhum... 
O tempo e a capital de credibilidade dos (destes) dirigentes desportivos para apagar o incêndio que eles próprios atearam e estimularam está a acabar. Neste momento, é complicadíssimo que sejam levados a sério, mesmo que apresentem propostas positivas. 
Que outros se cheguem à frente e coloquem termo a isto. Para bem da sanidade de quem quer continuar a fazer do futebol português uma festa e um espectáculo em que vale a pena investir tempo e dinheiro.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D