Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Sporting é a paixão que nos inspira. Não confundimos competência com cultos de personalidade. 110 anos de história de um clube que resiste a tudo e que merece o melhor e os melhores de todos nós. Sporting Sempre

1c (1).JPG

 

 

 

Ontem, em noite de reencontros de má memória – árbitro e adversário – inicia o Sporting o jogo com mais duas adaptações posicionais. Esgaio, que faz parte do plantel teoricamente como defesa direito, jogou na esquerda. Bruno César actuou na sua quinta posição esta época, fazendo o lugar de Adrien.

 

Mas, “voltando atrás”, na baliza Rui Patrício esteve bem e parece demonstrar que o momento de menor forma que teve no início de 2017 foi apenas isso, um momento. Não podia fazer mais no golo sofrido. Ainda na baliza, a inevitável questão: porquê convocar três GR para um jogo em casa e sem limitações físicas dos habituais convocados Patrício e Beto? Não teria sido a vaga melhor preenchida com um jogador de campo?

 

Na defesa, quarteto formado por Schelotto, Oliveira, Coates e Esgaio. Schelotto a ter um dos seus melhores jogos esta época, esteve em bom nível até perto do final da partida, quando levou um toque mais incisivo que o deixou ligeiramente limitado até ao apito final. Oliveira e Coates a terem um bom jogo e a revelarem um entrosamento crescente, assistimos a bastantes “dobras” mútuas. Na esquerda Esgaio. Eventualmente esta época seja a melhor opção, mas não será já tempo de Jesus se definir de uma vez por todas? Começo a imaginar um saco preto com quatro papelinhos com nomes (Marvin, Jefferson, Bruno César e Esgaio) e, imediatamente antes da divulgação da equipa titular, Jesus leva a mão ao saco e escolhe o defesa esquerdo para esse jogo… Como é possível criarem-se rotinas se continuar o “carrocel”? Pelo que Esgaio mostrou ontem, apesar de não ter velocidade para Hernâni e ter tido alguns dissabores nas suas costas, consegue mesmo assim defender melhor que a concorrência e é dele o centro que dá origem ao golo do Sporting, logo já justifica uma aposta com mais continuidade.

 

No meio campo, William a “6” e Bruno César a “8”. Qualquer um deles, individualmente, é uma boa opção para o lugar. No caso de William é mesmo o titular evidente. Mas, em simultâneo a actuarem no miolo fica o Sporting refém de algum défice de velocidade. E se pensarmos que à sua frente estava Alan Ruiz (“10”), que também não é um portento de velocidade, e à esquerda de Alan o outro Ruiz (Bryan a “11”), cuja velocidade não será de todo a sua melhor característica, ficamos com uma manobra ofensiva que apenas Gelson Martins (“7”) consegue acelerar. Pior, ficamos com uma manobra defensiva com nítida dificuldade de executar pressão alta. Ou se reequaciona quem deve substituir Adrien Silva e quem deve actuar na esquerda ou será este o “filme” para o próximo mês…

 

No ataque um excelente Bas Dost! Ontem a mostrar outros “pergaminhos” e a assistir de forma brilhante Alan Ruiz, naquele que foi dos seus poucos momentos no jogo, e a ter mais algumas intervenções nada egoístas ao longo do jogo. Demonstrou entrosamento, espirito de equipa, visão de jogo e boa execução técnica. Provavelmente o melhor jogador em campo na primeira parte.

 

Na segunda parte do jogo, Jesus terá considerado que a vantagem de apenas um golo era suficiente e “adormece” a equipa. Neste momento, infelizmente para nós só realizamos um jogo por semana, portanto é descabido falar de fadiga. Ou seja, se não é o cansaço o culpado do abrandamento, este tem de ser directamente imputado ao treinador. Se há questões de motivação é ao treinador que cabe estimulá-la e seleccionar os jogadores mais motivados. Se um ou outro jogador “tira o pé do pedal” sem que tenha sido o treinador a pedi-lo, é ao treinador que cabe retirá-lo de campo e colocar outro com mais “ganas”. É portanto legítimo inferir que foi Jesus que deu a instrução, até porque depois a acentua ao colocar um jogador no meio mais defensivo (Palhinha) do que o jogador que saiu e ao fazer entrar outros dois sem ritmo de jogo (Campbell e Castaignos).

 

Entretanto… não existem mais opções? Francisco Geraldes vê interrompida uma excelente época em Moreira de Cónegos para isto? Daniel Podence não teria sido uma melhor opção para dar velocidade ao jogo do que Campbell ou Castaignos? Apostar na Formação não pode ser só “palavras”… tem que ser “actos”. Palavras? Leva-as o vento…

Autoria e outros dados (tags, etc)

02
Mar17

bc201304.jpg

 

A equipa B do Sporting Clube de Portugal, a par de outras, foi criada no final de 2011 e avançou para competição na época 2012/2013. Estávamos no mandato de Godinho Lopes. A matéria-prima de que foi dotada (Formação) permitiu que, não só “tenha andado” pelo topo da tabela da II Liga durante a maior parte da época, tenha ainda “salvo” a equipa principal de uma classificação ainda mais embaraçosa ao lhe fornecer jogadores no último terço do campeonato.

 

 Ao apresentar-se às eleições de 2013, Bruno Carvalho afirmava, e bem, que a equipa B era um projecto fundamental num clube formador como o Sporting Clube de Portugal. Para além do que se pode ler na imagem em cima, apresentava propostas no sentido de ter dois plantéis curtos que se complementariam. Ou seja, na equipa principal dois jogadores por posição e na equipa B idem. Ambas com a mesma táctica e as mesmas rotinas. Neste modelo teríamos uma equipa B 100% constituída por jogadores oriundos dos juniores, em que os “titulares teóricos” seriam sempre a terceira opção para cada posição do plantel principal. Por outro lado, jogadores que em algum momento tivessem défice de utilização na equipa principal, recuperando de uma lesão por exemplo, teriam a sua oportunidade de recuperar a melhor forma na equipa B. Uma ligação “umbilical” que certamente geraria sinergias importantes para o futebol do Sporting.

 

Tal como na dança a pares, quando existe a ligação “umbilical” é como se um só corpo se movesse na pista, mas quando assim não é o que se assiste é a pisadelas… Um plantel B com défice de gestão acaba por se tornar só mais um “peso”, com os custos inerentes a uma segunda estrutura, logística e equipa técnica.

 

Ao longo destes quatro anos de mandato, como em outras matérias, assistimos a uma prática distinta do anunciado. Aliás, basta consultar o site para se ficar com uma ideia da relevância atribuída…

 

Pela função que deveria ser o principal pilar de estabilidade – o treinador – passaram quatro nomes, Francisco Barão, Abel, João Deus e agora Luís Martins. De todos, o único que terá efectivamente CV em formação de jogadores é o último, que no entanto apenas assegura a função interinamente até final da corrente época. Interino é também uma expressão que define bem Francisco Barão, pois ocupou a função apenas em curtos períodos de transição. Não tendo a priori esse perfil académico, não obstante, Abel “deu boa conta do recado”. Por motivos que até hoje ninguém conseguiu compreender, o “prémio” por ter ficado a 3 pontos do primeiro lugar na época 2014/2015 foi o afastamento logo no arranque da época 2015/2016. Entra então em cena João Deus. Uma decisão incompreensível, pois tratava-se à data de um ex-preparador físico que, nos poucos clubes em que tinha sido treinador principal, nunca tinha obtido um rácio de vitórias superior a 50% e nunca tinha lançado um jovem. Protagoniza épocas absolutamente sofríveis e recebe o “tiro de misericórdia” em Fevereiro de 2017.

 

No que diz respeito aos jogadores, estranhamente a «ponte entre o futebol júnior e o futebol sénior» serviu, sem grande proveito para o Sporting, de “ponte entre a contratação mal planeada e a dispensa”. Para além dos jogadores provenientes das camadas jovens passaram pela equipa B vinte e seis jogadores contratados propositadamente para tal, dos quais dez a título de empréstimo, num custo global de 1M€. Para além dos “naturais” seniores de primeiro ano e dos “menos naturais” contratados em exclusivo para a equipa B, passaram ainda pela mesma os “contra-natura” jogadores contratados para a equipa principal mas cuja qualidade efectiva nem no banco desta lhe garantiam lugar. Um total de onze jogadores, dos quais três emprestados, que custaram ao Sporting próximo de 13M€.

 

Em resumo: trinta e sete jogadores que mais não fizeram do que onerar as contas do Sporting em 14M€ e dificultar a evolução/integração dos “naturais protagonistas” do conceito – jovens da Formação.

 

Consequência: neste momento a descida ao Campeonato de Portugal é um cenário muito mais provável do que a manutenção na II Liga. Jorge Jesus diz que irá salvar a equipa B com a cedência de alguns jogadores do plantel principal. A equipa B não precisa de ser salva, precisa de ser gerida!

Autoria e outros dados (tags, etc)

01
Mar17

1a (2).jpg

 

Em 2013 Bruno Carvalho afirmava no seu programa eleitoral, e bem, que se deve preservar a estabilidade da equipa de futebol. É uma necessidade não só do futebol ou do Sporting, mas de qualquer organização.

 

Uma excelente intenção que, lamentavelmente, se ficou por aí.

 

Nas quatro épocas em que Bruno Carvalho foi o timoneiro principal, o futebol do Sporting Clube de Portugal teve três treinadores na equipa principal, quatro treinadores na equipa B e setenta e três jogadores contratados para ambas as equipas.

 

Teve, de facto, um início auspicioso. Na primeira época, cujo planeamento foi infelizmente facilitado pela ausência do Sporting das provas europeias, foram contratados dezoito jogadores (Jefferson, Cissé, Slimani, Victor Silva, Hugo Sousa, Maurício, Seejou King, Gerson Magrão, Montero, Ivan Piris, Welder, Heldon, Shikabala, Matiaz Perez, Dramé, Everton Tiziu, Sambinha e Enoh). Embora em número elevado, aqui sim reconhece-se um «fim de ciclo» que “obriga” a uma revisão mais vasta. No entanto, nestes dezoito jogadores verificou-se um valor médio por transferência de apenas 311m€, justificado pela opção de recorrer em metade das contratações a jogadores “custo zero” e também, claro, pela opção por jogadores “baratos” (sensivelmente 5M€ gastos no total). Poderia a média ter sido ainda mais baixa se em Janeiro não se tivesse dado um primeiro sinal de inversão de estratégia com o 1M€ gasto em Heldon, mas mesmo assim um saldo positivo.

 

Na segunda época, após a saída de Leonardo Jardim, saída essa que não implicava um «fim de ciclo» pois apenas saiu do plantel um jogador titular, foram contratados treze jogadores (Paulo Oliveira, Slavchev, Tanaka, Rosell, Hadi Sacko, Gauld, Naby Sarr, Jonathan Silva, André Geraldes, Gazela, Rabia, Nani e Ewerton). Logo à partida um número estranhamente alto, pois apesar do retorno do Sporting às competições europeias, não deveria ser necessário dotar o plantel de tantas “soluções” adicionais. Mas o realmente grave foi nessa época se ter passado para um valor médio por transferência de 1,2M€! Ou seja, 16M€ gastos no total. Se pensarmos que o jogador de maior qualidade (Nani) até foi a “custo zero”, torna a ineficácia ainda mais evidente. Se recordarmos que o treinador Marco Silva teve pouco ou nenhum “voto na matéria”, restam então dois nomes para assumir a responsabilidade do desacerto.

 

Na terceira época dá-se o assumir em definitivo da inversão de estratégia, com o consequente “rasgar” em definitivo da promessa eleitoral. Entra Jorge Jesus, afirma que antes dele o Sporting não existia e, para dar “corpo” às afirmações, pede a contratação de catorze novos corpos (Azbe Jug, Teo Gutierrez, Aquilani, Bruno Paulista, Bryan Ruiz, Naldo, João Pereira, Marvin Zeegelaar, Bruno César, Schelotto, Coates, Barcos, Thomas Rukas e Amâncio “Neymar” Canhembe). O investimento total em contratações foi na ordem dos 18M€, tendo sido o valor médio de 1,3M€.

 

Na quarta época, ainda a decorrer, dá-se o descalabro total e absoluto! Uma equipa que quase vence o campeonato na época anterior e que mantém o treinador Jorge Jesus, bem como João Deus na B, contrata vinte e oito jogadores (Spalvis, Alan Ruiz, Federico Ruiz, Petrovic, David Sualehe, Edu Pinheiro, Diogo Nunes, Bas Dost, Elias, Castaignos, Douglas, André, Meli, Beto, Campbell, Markovic, Boubakar Kouyate, Pedro Delgado, Guima, Fidel Escobar, Leonardo Ruiz, Liam Jordan, Bilel, Ricardo Almeida, Nasyrov, Gelson Dala, Ary Papel e Merih Demiral). Foram gastos 28M€. O valor médio por contratação, apesar do valor recorde, baixa para 991m€ devido ao facto de dez serem jogadores emprestados. Entretanto quatro abandonam o plantel ainda em Janeiro, demonstrando mais uma vez o desnorte.

 

Em quatro épocas, quatro «fins de ciclo». Um dos quais com manutenção de treinador.

 

Em quatro épocas quase 68M€ investidos, sem contar com todos os fees de empréstimo e sem contar com comissões. Dos jogadores contratados pela actual Direcção, os que entretanto foram vendidos renderam 51M€, é um facto. Mas é notória a preponderância que Slimani tem nos dois totais – custou 300m€ e foi vendido por 30M€ - e é importante recordar que foi uma segunda opção face ao “roubo” de Ghilas por parte do porto, mas mesmo assim é o maior mérito de Bruno Carvalho. Sem ele, os totais teriam sido (provavelmente) 70M€ em compras e 20M€ em vendas.

 

Em quatro épocas… setenta e três contratações «cirúrgicas»…

Autoria e outros dados (tags, etc)

21
Fev17

mais-menos-orgulhosamente-sos.jpg

 

 

Estamos a chegar ao final de uma campanha que é um autêntico case study. Nunca na vida do Sporting se debateu tão pouco o futuro e o presente do Clube e da SAD em detrimento da vida e da personalidade dos candidatos.



Esta forma de fazer campanha é sintomática do estilo aplicado nos últimos anos. Desde 2011 que o Sporting se começou a fraturar internamente. O Sporting é hoje um clube altamente dividido, sem poder e completamente à deriva e à mercê de investidores desconhecidos e dos devaneios de um Presidente que assumidamente dividiu para reinar e construir uma carreira e claro uma carteira.



Mas vamos navegar pelos três universos que vão a votos. Presidente e equipa, Mesa da Assembleia Geral e Conselho Leonino. Se para a presidência a luta começa a ganhar contornos de ser mais disputada que há semanas passadas, as candidaturas para a Mesa e para o Conselho Leonino podem ser uma grande surpresa.



Marta Soares é para uma grande maioria um dos piores Presidentes de sempre, a par com Eduardo Barroso. Ambos bailarinos e bipolares, navegam mediante interesses próprios e até obscuros como foi explicado por Daniel Sampaio numa entrevista que deu há uns anos.



Marta Soares não sabe nem quer saber. Tem uma atitude que roça até o nível saloio e não compreende os estatutos, que curiosamente, é o presidente do órgão que os deveria obrigar a cumprir. O exemplo dos Cadernos Eleitorais é mais um triste episódio num Sporting cheio de dramas e de cenas muito tristes nos últimos anos.



Este é um órgão de grande importância. A candidatura de Rui Morgado pela Lista de Pedro Madeira apresenta-se como uma grande e óbvia alternativa à incapacidade e desnorte de Marta Soares. Aqui a mudança é quase obrigatória.



No Conselho Leonino temos três listas a votos. De enaltecer a Lista que somente vai a votos para este Órgão Consultivo. Sportinguistas anónimos, gente de estádios e pavilhões, gente educada e presente, gente que teve a coragem e acima de tudo, cumprem com o seu dever e obrigação de se fazerem ouvir e de se apresentarem como alternativa. Na minha opinião vão ter um bom resultado, e verdade seja dita merecem.



Por outro lado a Lista da candidatura de Bruno de Carvalho é um filme de terror. O regresso dos “cancros” ao Sporting. Cancros foi o termo utilizado pelo próprio presidente para denegrir Ricciardi e outros antigos dirigentes que agora se apresentam e andam aos abraços por Alvalade. O que hoje é verdade amanhã é mentira, e verdade seja dita, esta lista ao Conselho Leonino é para rir, pois esta gente não merece uma lágrima que seja.


E claro, olhemos para os dois candidatos, Pedro Madeira e Bruno de Carvalho, dois jovens, e o Sporting precisa desta juventude. Bruno de Carvalho teve quatro anos para se adaptar, para aprender, para se enquadrar com a responsabilidade que é ser Presidente de um Clube como o Sporting Clube de Portugal. Mas tarda em perceber e comportar-se como tal. O Clube está fraturado, os adeptos combatem entre si, há ameaças, há processos, há um tom baixo e sem perfil institucional. O Sporting é hoje um Clube gerido ao balcão da taverna, onde tudo se resolve com ataques ao rival Benfica, que para nossa tristeza, vai a caminho de quatro títulos em quatro anos de mandato de Bruno Carvalho. Nas modalidades e no futebol o terror é o mesmo. Muito dinheiro aplicado, e poucos ou nenhuns títulos. O Pavilhão tem mérito de Bruno, mas não podemos esquecer todo o trabalho feito pelas anteriores Direções no processo de resolução de terrenos e licenças com a autarquia. Sem estes processos nada aconteceria. Mas Bruno construiu, está quase pronto, e todos queremos que seja uma casa que muitas alegrias nos ofereça.

 

Pedro Madeira é o challenger destas eleições. Avançou sozinho num momento em que o Sporting estava ainda a lutar para vencer praticamente todas as competições. Sozinho foi conquistando apoios, garantindo votos, tem hoje uma Lista composta por antigos dissidentes de Bruno de Carvalho e de gente que muito deu ao Sporting e ao desporto nas ultimas décadas. Esta é uma Lista que deve ser bem avaliada e bem ponderada. Não é um capricho, é efetivamente um conjunto de Sócios muito válidos e preparados para alterar o rumo do Sporting nos próximos anos.



Pedro Madeira tem vindo a subir na sua confiança e notoriedade entre os Sócios. A poucas horas do Debate, se Pedro Madeira se conseguir afirmar definitivamente perante a plateia Leonina, tudo pode acontecer no dia 4 de Março. Pedro Madeira tem ainda trunfos na manga, como os investidores, sponsors, treinador e diretor desportivo. Ao que se vai ouvindo todos estes nomes serão fortes, e tudo será provado e comprovado de forma efetiva sem show mediático mas sim no sentido de começarem a trabalhar logo no dia 5.



O episódio do despedimento de Jorge Jesus foi mais um ato de coragem do candidato. E uma grande maioria tem esse desejo. E acredito que não será difícil chegar a esse acordo. Jorge Jesus está intimamente ligado a muito do que se passou nos últimos dois anos no departamento de futebol. Esteve nos negócios, nas compras, nas vendas, e isso pode ser o ponto de partida para colocar o lugar à disposição. Jorge Jesus pode ter muitos defeitos mas continuo a acreditar que e um Homem de caráter, do Sporting e que tem todas as qualidades para dar o salto para outro campeonato. Jorge Jesus sairá pelo seu próprio pé, pois perderá a confiança da direção e claro, perderá a confiança de quem realmente tem e deve ter o poder, os Sócios e Adeptos.


O Sporting está numa fase critica. Não é de agora. Mas vivemos atualmente de uma fraqueza enorme para os nossos rivais. Bruno de Carvalho dividiu o Clube, criou um conflito interno para governar. Se Pedro Madeira conseguir aproveitar esta fraqueza sairá vencedor das eleições. Bruno está desgastado, desacreditado, refém de um treinador autista que renega de forma perentória o nosso ADN de clube formador. E claro, o aumento brutal de emissão de VMOC´s, processo tão criticado por Dias Ferreira no passado e que agora evita tocar ou explicar aos Sócios e Adeptos o problema que temos entre mãos. O Clube e a SAD estão no limbo, continuam na mão da banca e de investidores. Os empresários de jogadores não nos consideram, a Federação de Futebol, a Liga de Clubes e a APAF não nos respeitam.



Um Clube orgulhosamente só só pode ter um destino. Ir definhando e desfalecendo sozinho, jogo após jogo, decisão após decisão até ao tombo final, que muito nos irá custar. Reerguer este Clube é uma missão de todos os associados e adeptos, que comece já no dia 4 com um voto de consciência. Basta! O Sporting não é isto.

Autoria e outros dados (tags, etc)


editado por Ivaylo a 25/2/17 às 11:27

20170219.jpg

 

Vem o título na sequência do pós-jogo. Saindo das bancadas, nas escadas, nos acessos, nos bares, nas roulottes, nos restaurantes, nos trasnportes, ..., até nos WC... Novos e velhos. Mulheres e homens. Todos de acordo. O Sporting ontem não jogou absolutamente nada!

 

Será uma questão dos soldados? Em duas posições, sim, claramente. Mas sobre os laterais defensivos já tanto se falou que as suas más exibições já se tornaram uma "aceitável normalidade". Quanto aos demais, um dos melhores guarda-redes do Mundo, bons centrais, excelentes médios centro, um furacão na direita e um matador na área. A isto soma-se a tendência crescente de Alan Ruiz e a experiência de Bruno César ou Bryan Ruiz.

 

Sobre a baliza, voltarei no final. Na defesa a aparecer a novidade Paulo Oliveira, mostrando que o Sporting não está refêm da habitual dupla titular e de eventuais oscilações de forma. No meio uns bastante menos inspirados William e Adrien a demonstrarem que, se quem de direito assim o decida, a boa surpresa que foi Paulo Oliveira na defesa poderia ser extensível mais à frente com Palhinha e Francisco Geraldes. Na direita Gélson a mostrar que "é um que não engana", não sabe jogar mal, mesmo em noite menos inpirada consegue compensar com mais trabalho. Bruno César algo apagado, mas algo compreensível quando falamos do jogador que esta época "passeia" entre posições. Alan Ruiz a marcar, mais uma vez. Um jogador claramente em crescendo. Na frente Dost desta vez não marcou, mas sem a bola lhe chegar... só por telecinese.

 

Será uma questão do general? Que dizer quando os tijolos e o betão são de boa qualidade mas a parede cai...? Claramente o que falta a este Sporting (para além dos laterais...) é uma ideia de jogo. Uma! É incompreensível como um treinador que ganha o vencimento de Jorge Jesus não consegue tirar melhor rendimento dos jogadores que tem á sua disposição. O Sporting a nível defensivo causa frequentemente calafrios aos seus adeptos, muito pela actuação dos seus laterais. O Sporting a nível ofensivo não consegue em 90 minutos uma transição de bola pelo meio. Uma! É sofrível! Já se justifica a intenção de despedimento de Pedro Madeira Rodrigues, não por uma questão de "honra", mas por mau desempenho.

 

E que esperar de declarações deste general? O costume... Não só nunca assume o que corre mal, como consegue ainda ter desculpas mirabolantes como «boas equipas são aquelas que ganham sem jogar bem». E eu que pensava que uma boa equipa era aquela que jogava bem e ganhava. Jogos e títulos... Tenho evidentemente de reaprender estes conceitos para me adaptar a esta outra dimensão. Como no Fringe.

 

Aliás, só a Teoria Multidimensional para explicar as assistências anunciadas em Alvalade. Estavam lá mesmo os 40 mil... Só que 5 mil estavam noutra dimensão. Será que nessa dimensão o Sporting jogou melhor? Será que nessa dimensão temos defesas laterais decentes? Não perca o próximo episódio...

 

Termino com a baliza. Obrigado Rui Patrício! 400 vezes obrigado! Obrigado pelos 3 pontos ontem! Obrigado por seres um Leão! Obrigado por nos encheres de orgulho, com o Leão Rampante ou com as Quinas! És Grande!

 

Só lamento ver uma ou outra pessoa, sempre dispostos a aplaudir uma figura secundária como Bruno Carvalho, a pouparem as palmas das mãos nos aplausos ao Rui. Mas sobre estes já falei outro dia. Chega de dar protagonismo a quem não merece qualquer consideração. Chega.

 

Volto ao Rui! Esse sim, merece todo o protagonismo! É com estes Leões que se ganham títulos!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

07
Fev17

A Mercearia

por Ivaylo

20170207.jpg

 

 

Perto do Lumiar fica a Mercearia Leão. Como tantas outras, teve na sua criação uma raiz familiar que perdurou por alguns anos, mas entretanto decidiu o senhor Alfredo (neto do fundador), para fazer face aos novos desafios de uma economia globalizada, que a mesma se devia organizar como uma cooperativa.

 

É então decidido, juntamente com os demais membros da cooperativa, que para a Mercearia ser sustentável deveria acentuar a sua já anterior aposta em vender fruta e legumes nacionais de produção própria. Até esse momento, o senhor Alfredo tinha uma pequena horta na vizinhança da Mercearia. Numa perspectiva de aproveitar a Lei das Economias de Escala, bem como incrementar a qualidade final do produto, resolvem adquirir uns terrenos na margem sul do rio Tejo. É solicitada certificação por parte da ASAE e arranca a produção.

 

É igualmente decidido, e concretizado, que a própria Mercearia seria demolida para se construir um novo espaço mais de acordo com o que um cliente espera encontrar num espaço comercial após o ano 2000. Fica apenas por concretizar a construção, num anexo da Mercearia, de um espaço que permitisse vender enchidos gourmet. Ainda que o core business da Mercearia fossem os legumes e fruta, sempre fora também conhecida pela sua charcutaria. Lamentavelmente, devido a diferendos com a repartição municipal responsável pelo licenciamento de lojas gourmet, fica essa obra por fazer durante largos anos (como em qualquer tema autárquico poderia ter-se resolvido “de outra forma” mas o senhor Alfredo pauta a sua conduta por uma ética irrepreensível).

 

O senhor Alfredo, pensando ter assegurado as bases de desenvolvimento do negócio, acha que é tempo de se afastar do negócio outrora familiar. Os anos passam-se, e pela liderança da cooperativa vão passando várias pessoas, quase todas com um ponto em comum: percebem muito pouco de agricultura e menos ainda de comércio local.

 

Eis se não quando, munido de curso tirado ao abrigo do Programa Jovens Agricultores, aparece em cena alguém que afirma ter a solução para o desempenho periclitante da Mercearia. Afirma, e bem, que os custos inerentes à exploração da Mercearia e dos terrenos da margem sul têm que baixar para um nível mais equilibrado. Preconiza, e bem, que a Mercearia tem de voltar à sua matriz de vender a produção própria. Com este discurso consegue levar de vencida o seu concorrente na eleição.

 

Mantém tudo o preconizado no seu primeiro ano. Complementa o cardápio com umas mangas importadas da Argélia e café da Colômbia, percebe-se, pois em Portugal é com dificuldade que se plantam mangas ou café.

 

Dá-se uma recuperação até surpreendente para alguns elementos mais pessimistas da cooperativa. Nessa recuperação foi também de extrema importância um jovem engenheiro agrónomo que tinha terminado o curso com média de 18, que trata tão bem a lavoura que atrai as atenções de um investidor de leste e é levado a montar um negócio semelhante, de raiz, em França.

 

O líder da cooperativa, achando que o lugar de engenheiro-chefe é de crítica importância, aborda outro jovem engenheiro – este com média de 17. E é aqui que começam a acontecer coisas estranhas. Sem que o engenheiro tenha pedido, sai da Mercearia o segurança que no ano anterior tinha impedido uma série de meliantes de vandalizarem a Mercearia. Sem que o engenheiro tenha pedido, começa a ser importada fruta estrangeira de origem não certificada – alguma pronta a consumir, mas também algumas sementes para os terrenos da margem sul. O engenheiro estranha, até porque se importam sementes de pêra francesa e a pêra rocha do Oeste é muito melhor, mas tenta ir equilibrando as vendas da melhor maneira. Entretanto, aparece até um ex-trabalhador rural que é agora um conhecido vendedor de joalharia pechisbeque na Feira de Carcavelos, a afirmar que o engenheiro quer é vender a sua própria fruta, apesar de este nem sequer ter uma horta…

 

De situação estranha em estranha situação se vai andando até ao desfecho. O líder da cooperativa diz que não conta mais com o engenheiro porque um dia ele não levou o chapéu de palha. A questão é que o engenheiro entretanto ainda consegue uma medalha de prata num concurso agrícola, e, com isso cativa muitos dos membros da cooperativa.

 

O líder da cooperativa percebe então que, estando à frente de uma organização comunitária e não da sua própria loja, tem que agir de acordo com a vontade da maioria dos membros. Tem uma ideia bombástica: «… há ali um gajo na Mercearia de Carnide que toda a gente pensa que tem feijões mágicos… MUHAHAHAHAHAH!!». Se bem o pensou, melhor o fez. Em menos de um mês estava o jovem engenheiro a explorar uma leitaria especializada em iogurte grego e estava o ex-capataz de Carnide a colaborar com a cooperativa.

 

Se no ano que aí terminava já tinham acontecidos coisas estranhas – como a importação de pêra francesa – agora com o capataz os eventos precipitam-se a uma velocidade vertiginosa. A começar com a velocidade a que euros saem da conta da cooperativa para a conta do capataz. É que o capataz apesar de só ter a 4ª classe, conseguiu com a sua fama de produzir feijões mágicos ganhar um vencimento ao nível dos melhores engenheiros agrónomos do Mundo.

 

Adicionalmente, acentua-se a aposta na importação de fruta estrangeira e a passa-se a subalugar a produção própria a outras mercearias de menor expressão. Ganham essas mercearias, que passam a ter mais clientes devido à melhor qualidade dos produtos, perde a Mercearia Leão.

 

Perde a Mercearia porque a fruta estrangeira paga grandes taxas aduaneiras, além de só poder ser tratada com fertilizantes da Monsanto (que são muito mais caros e com consequências para a saúde do consumidor final). Perde a Mercearia porque o capataz, além de sair caro, constantemente declara que ele é que inventou o arado.

 

Após dois anos, após as vendas voltarem a níveis anteriores, após os custos dispararem devido às taxas e aos fertilizantes, após alguma da produção teimar em crescer menos devido ao arado usado, o líder da cooperativa tem que dar explicações aos demais associados, que começam a revelar descontentamento.

 

Ouve-se e lê-se a seguinte causa: o gato da vizinha, apesar de não ter asas, consegue sobrevoar a plantação e estragá-la com a sua urina (tóxica como se sabe). Mais, esse gato consegue falar. Mais, esse gato tem botas que comprou no Colombo. Espantosamente alguns membros da cooperativa acreditam e acusam os restantes, menos voltados para o sobrenatural, de serem muçulmanos.

 

Moral da história: os gatos miam e não existem feijões mágicos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

23
Jan17

Da Reactividade Necessária

por Pastelão Tecnicista

Como acontece em qualquer momento eleitoral, muitas propostas concorrentes surgem em antítese à praxis em vigor e reflectem uma reacção ao establishment, a despeito da inegável originalidade propositiva que com a reacção deve coabitar. É essa, de resto, a própria essência de qualquer processo democrático, a convivência (salutar) de diversas sensibilidades para com uma instituição que, no caso vertente, se deseja desportivamente vencedora, financeiramente pujante e axiologicamente comprometida com os seus desígnios fundacionais. Relembro o mote de José de Alvalade e os 10 Mandamentos do Sportinguista, de Salazar Carreira que, desde sempre, serviram de mote à conduta desportiva e institucional do Clube e que sempre nos distinguiram como adeptos e sócios diferentes.

 

Serve este excurso como intróito à dissecação do ponto “Liderança e Valores” do programa de candidatura de Pedro Madeira Rodrigues (PMR), área na qual se reafirma a vontade de estar “Sempre na Frente”, como aliás no Futebol de Formação (depauperado e traído na sua essência formativa nos últimos 4 anos), nas Modalidades (onde o imediatismo eleitoralista camufla uma factura que se avizinha financeira e desportivamente penosa, com a excepção honrosa do futsal), no futebol (onde, e para grande pena minha, fã confesso de Jorge Jesus, os resultados da presente temporada se equiparam apenas parcialmente aos anos de Paulo Bento, treinador que nunca apreciei), bem como noutros campos que por agora não explorarei.

 

Parte da reactividade com que iniciei o texto reflecte-se, desde logo, no facto de PMR ter colocado em destacado primeiro lugar o vector de que nos ocupamos aqui, na ordenação da lista do seu programa que, diga-se de passagem, se espera ser aprofundado por documentação adicional e pelos próprios esclarecimentos públicos do candidato. Todos os 8 pontos constante da rubrica “Liderança e Valores” são uma reacção a uma miríade de aspectos que motivaram algumas das críticas mais incisivas à Direcção de Bruno de Carvalho (BdC), uma amálgama de resposta a práticas lesivas da imagem institucional do Sporting, como o sejam i) a hostilização dos sócios contrários à actual Direcção, ii) a comunicação institucional, o sicofantismo (em detrimento da meritocracia constantes do anterior e do actual programas de BdC), a conduta institucional tout court e, claro, a honorabilidade do Presidente, aspecto central na alienação progressiva dos Sportinguistas em relação a esta Direcção (posto que não em relação ao Clube).

 

De outro modo não se explica a proposta de trazer para o clube “sportinguistas com provas dadas”, por oposição aos que hoje parecem controlar o Clube, como se de um feudo pessoal se tratasse (algo que BdC prometeu erradicar, mas continuou a perpetuar), insultando os “não-alinhados” e demonstrando, consecutivamente, um enorme amadorismo na condução de matérias vitais à expansão da Marca e ao prestígio do Clube. Relembro, na esteira de um texto de Drake, no polémico Camarote Leonino, da presença de Vitorino Bastos e Vítor Damas na estrutura de futebol do Sporting, em 2000, aquando do nosso penúltimo campeonato; duas figuras tutelares do Sportinguismo que os jogadores respeitavam: que tem, portanto, André Geraldes a ensinar-nos neste aspecto se se confirmar a sua elevação a Director Desportivo sob Bruno de Carvalho?

 

De outro modo não se explica o “respeito pelos compromissos assumidos”. O caso Doyen, recordam-se? Aquele que parece que nos irá custar uma penhora imobiliária vergonhosa, uma vez que aparentemente não pagamos voluntariamente o que fomos condenados a pagar? Não que não tivesse pessoalmente simpatizado com a iluminação institucional de entidades tão opacas como os fundos; mas creio não ser necessária a presença de um político sagaz para ter antecipado o desfecho deste caso.

 

De outro modo não se explica “a colocação do Sporting no centro da agenda comunicacional”. O inenarravelmente inútil Nuno Saraiva, recordam-se? As suas “bicadas” anedóticas ao nosso rival Benfica? O facto de ser um factótum de BdC com o suposto objectivo de não sobrecarregar a imagem já de si descredibilizada de um Presidente que, a dada altura do seu mandato, achou por bem apelidar os nossos rivais de “nádegas” … O Director de Comunicação que diz assim, para o Presidente dizer assado nas entrevistas prestimosamente concedidas ao Grupo Cofina, ex-encarnação do Diabo na Terra? Como é que se pode incluir seriamente num programa o cliché estafado da “Comunicação a uma só voz”?

 

De outro modo não se explica o “respeito pela pluralidade de sensibilidades” dos associados por oposição aos processos a sócios com vários anos de militância que discordavam (como é seu direito inalienável e constitucionalmente consagrado) da estratégia de um brunismo messiânico que se insinuou no Clube (voltarei a este aspecto mais tarde).

 

De outro modo não se explica a apresentação de um organograma funcional, aspecto importante na clarificação das atribuições profissionais de cada funcionário do Sporting, fundamental numa época onde se permitiu ao treinador da equipa principal de futebol ser simultaneamente manager e scouter.

 

Finalmente, de outro modo não se explica a apresentação da declaração de rendimentos do Presidente no início e no fim dos mandatos. Parece-me uma clara reacção ao inacreditável pagamento de retroactivos ao actual Presidente após a aprovação de duplicação do seu vencimento, adequadamente aprovado em AG pelos sócios… Em teoria, parece-me uma medida que permitirá destrinçar quem serviu o Sporting e quem se serviu do Sporting.

 

Dito isto, por defeito profissional, não embarco no discurso de que os portugueses, sendo miserabilistas, são mais susceptíveis a derivas utópicas, soteriológicas e sebastiânicas, pessoalizadas na figura nietzscheana de um Übermensch. A história do século passado e a conjuntura política mundial actual (trumpismo, lepenismo, orbanismo, etc) desautorizam-me esta leitura. Agrada-me sinceramente que no meu Querido Clube as eleições não sejam meros plebiscitos, como sucede nos rivais. Entristece-me que a inutilização do espírito crítico patente numa larga franja de consócios os impeça de votar em consciência, impedindo-os de perceber a transitoriedade dos mandatados e a eternidade da Instituição.

Foda-se... I.jpg

 

SPORTING SEMPRE

Autoria e outros dados (tags, etc)


editado por Ivaylo a 25/2/17 às 12:06

22
Jan17

20170122.jpg

 

 

O Sporting apresentou-se ontem com algumas alterações no seu 11 titular.

 

O regresso de Patrício à baliza, em jogo que lhe correu menos bem. É um facto que, actualmente, não está ao nível a que já nos habituou. É no entanto de elementar justiça referir que se este momento menos bom é mais visível, é também por o nível a que nos habituou ser elevadissímo. Estamos a falar do jogador a quem, nem há 2 semanas, se teciam largos elogios pelo seu reconhecimento internacional.

 

Na defesa, a revolução. Têm entrada directa no 11, Schelotto, Paulo Oliveira e Marvin. Os laterais, embora com esboços de alguma qualidade, têm essa percepção facilitada pelas más exibições dos seus respectivos antecessores nas posições. Numa avaliação mais exigente, constata-se mais uma vez que não têm qualidade para serem titulares no Sporting. Paulo Oliveira, mais uma vez, demonstra que deveria ter bastante mais confiança por parte de Jorge Jesus e que a contratação de Douglas foi um pouco descabida.

 

No meio campo registou-se a maior surpresa, com a inclusão de Palhinha em substituição de William Carvalho. Justificada a saída, por William já demonstrar há muito o desgaste inevitável de não ter substituto digno. Justificada a chamada, ainda que Palhinha aqui e ali tenha demonstrado ligeiro nervosismo e falta de rotina com os companheiros, mesmo assim um evidente grito mudo de revolta "PORQUÊ O PETROVIC?!". Adrien, que não tem estado na melhor condição física desde a última lesão, consegue apesar disso assegurar os "serviços mínimos".

 

No ataque, o inevitável Dost a, inevitavelmente, marcar golo. A municiá-lo teve, Gélson na direita, Bryan nas costas e Bruno César na esquerda. Gélson, mesmo acusando ligeiro desgaste provocado pela sua "titularidade obrigatória", continua a ser o único capaz de rasgar a "cábula insuficiente" fornecida por Jesus e tirar "cartas da manga". Bom golo! Bryan continua a ser a sombra do que já foi e Bruno continua a ser prejudicado pelo deambular táctico a que parece condenado.

 

Entram depois Alan Ruiz, William e Campbell. Alan, que injustiça!, consegue tornar bem gastos 2% do valor da sua aquisição com aquela desmarcação e remate, para ver o golo mais uma vez surripiado pelo apito. Apito no Pinheiro, que em lugar de dar pinhas, dá foras de jogo imaginários. William deu algum equilíbrio ao miolo, Campbell deu algum... nada.

 

O Sporting ontem, sem deslumbrar, esteve bastante melhor do que nos jogos em Chaves. O Sporting ontem, sem deslumbrar, fez muito mais pela vitória do que o seu adversário. O Sporting, mais uma vez ontem, é prejudicado por uma arbitragem amadora... Amadora? Será que sim? Ou será "profissionalíssima"...? You know what I mean! They know what I mean! Everybody knows what I mean! Excepto os dirigentes do Sporting, que continuam a dar tiros de pólvora seca, a olhar para as vicissitudes dos adversários em vez de para as próprias.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

16105483_10154267828956732_6670416357596470299_n.j

 

 

Ontem Pedro Madeira apresentou os traços gerais do seu programa e equipa, e no mesmo dia, Bruno de Carvalho lançou 111 medidas para mais quatro anos.

Das 111 medidas, podemos começar por aferir as dezenas que já faziam parte dos últimos dois processos eleitorais e que nunca foram postas em prática, agora novamente repetidas e outras tantas que são de uma componente hilariante e completamente desajustada da dimensão e contexto do domínio desportivo ou do âmbito de atuação do Clube ou da SAD. Mas de Bruno  Carvalho não há surpresas, mais do mesmo, e o mesmo é zero!

Têm saído também ecos de vários jogadores dispensados, na sua maioria contratações feitas esta época, e claro, a perda de poderes de Jorge Jesus, ficando Bruno de Carvalho com mais intervenção na área do futebol. Ou seja, a culpa, uma vez mais não foi do Presidente, e terá assim toda a legitimidade de entrar em balneários e voltar a trazer a sua família e amigos para os treinos e para as deslocações da equipa fora de Lisboa. Agora na Madeira a comitiva leonina tem quase cinquenta (50) quartos alugados numa unidade hoteleira, coisa pouca!!

 

Sobre Pedro Madeira Rodrigues, uma lufada de ar fresco, e uma mostra de vitalidade leonina ontem no Auditório Artur Agostinho em Alvalade.

Muita gente, gente de todas as idades, e gente que partilha uma vontade louca de mudança.

Pedro Madeira apresentou sumidamente algumas linhas programáticas, que carecem de explicação e de maior aprofundamento nos próximos dias. A sua mensagem deve e tem obrigatoriamente que ser mais e melhor trabalhada.

Durante o dia foi também mencionada a hipótese Mario Patrício, que Futre tratou de queimar nas suas intervenções, dando a entender que teria o apoio de Jorge Mendes e da Doyen.

Nem Futre ficou bem na fotografia, nem Mario Patrício precisava desta ajuda.

Sobre Mário Patrício, se a candidatura se efetivar, ganha o Sporting.

São necessários mais candidatos com o objetivo comum de mudança, que tenham uma equipa capaz, gente nova, conhecedora e que altere de vez o paradigma instalado no Sporting.

A Mário Patrício e Pedro Madeira Rodrigues, deixo somente um apelo. Que coloquem os interesses do Sporting em primeiro lugar. Uma só candidatura deverá avançar para acabar com o pesadelo Carvalhista.

Que surjam candidatos, que surjam ideias, que se preparem muitos e bons debates. O Sporting precisa ser discutido, pensado e repensado, necessita de uma nova estratégia e de gente com outra capacidade e perfil institucional.

Os próximos dias serão pródigos em novidades, e a oposição tem tido a sorte de ter tempo para preparar as suas estratégias. Os maus resultados e o clima miserável que se vive em Alvalade têm proporcionado que de todos os domínios, da economia, da política, do desporto, das artes e de tantas outras disciplinas, toda uma plateia de gente capaz e sabedora tem atacado e bem o presente e o Presidente Bruno  de Carvalho.

 

A evidência está à vista. Bruno está esgotado. Sem discurso, sem estratégia, só sabe atuar de uma forma e essa forma que foi uma bandeira de esperança é hoje um trapo que envergonha a nação verde e branca.


PS: Que esta deslocação à Madeira seja um momento de alteração de resultados. Que os jogadores coloquem os Adeptos e o Clube em primeiro lugar e que esqueçam as traições do Presidente a eles mesmos. Que vençam por nós. Nós acreditamos em vocês. E que depois da vitória tudo volte à normalidade e que se encha a Discoteca Vespas numa festa verde e branca como na época passada. São selfies senhores, são selfies!

Autoria e outros dados (tags, etc)


editado por Ivaylo a 25/2/17 às 12:09

19
Jan17

20170119.jpg

 

 

A imagem em cima é retirada do programa eleitoral de Bruno Carvalho. Uma síntese adequada do que deve ser o perfil de qualquer treinador do Sporting, bem corporizada em Lazlo Boloni – último campeão.

 

Leonardo Jardim

 

Para arranque do mandato de Bruno Carvalho não poderia ter sido encontrado um nome melhor do que Leonardo Jardim.

 

Treinador nascido na Venezuela mas que viaja ainda criança para a Madeira, acompanhando o regresso dos seus pais. Inicia jovem, com 29 anos, a carreira de treinador no Camacha onde passa 5 anos. Transfere-se para o Chaves, onde fica apenas 1 época finda a qual dá o salto para a Primeira Liga para treinar o Beira Mar. É por esta altura associado ao porto, num suposto contrato-promessa que nunca foi bem esclarecido.

 

O ingresso na Primeira Liga lança uma carreira meteórica. Passa 2 épocas no Beira Mar de onde passa para o Braga. Aí faz uma boa época, mantendo o nível "europeu" que a gestão de Salvador trouxe ao clube, que o catapulta para a Grécia e o Olympiacos. Lá cumpre o já habitual desígnio de colocar a equipa na rota de ser campeão grego, só não colhe os frutos por um enigmático despedimento ainda em Janeiro. Azar dos gregos... Sorte do Sporting Clube de Portugal! Faz uma boa época e leva o dono do Mónaco a pagar a sua cláusula de rescisão para contar com os seus serviços. Aquilo que tem sido a sua carreira no Mónaco, todos somos testemunhas.

 

No Sporting, incorpora na perfeição a descrição da imagem. Basta recordar que é ele que chama William Carvalho ao estágio de pré-época e acredita definitivamente em Adrien Silva. Ou seja, é Leonardo Jardim que lança, o que ainda hoje é, a espinha dorsal da equipa do Sporting – William e Adrien.

 

Arma uma boa defesa, com Cédric na direita, Rojo no centro com uma solidária qualidade a disfarçar os parceiros Maurício e Jefferson. A posição mais recuada de William no meio campo era também uma importante ajuda, bem como a presença de Patrício nas costas. Eric Dier, quando possível, ia espreitando a titularidade, em mais um exemplo de aposta em jogadores oriundos da Formação.

 

No ataque, aposta inicialmente em Montero que tem um início fulgurante. À medida que o colombiano se vai ofuscando, vai aparecendo aquela que viria a ser a melhor contratação do mandato – Islam Slimani. No apoio a eles, nas alas, aposta na juventude de Carrillo, Mané e Wilson Eduardo, com estes dois últimos a terem das melhores épocas até agora nas suas carreiras e, mais uma vez, a corporizarem a prometida aposta na Formação.

 

Marco Silva

 

Depois de perder Jardim, sem que algo pudesse ter sido feito para o impedir, Bruno Carvalho tira mais uma excelente carta da manga ao contratar Marco Silva. Não só por ser à data o treinador português com maior potencial, como por esse potencial já atrair também as atenções de ambos os rivais.

 

Treinador que tinha até então orientado apenas o Estoril, onde tinha inicialmente desempenhado a função de director desportivo. Faz, já como treinador, um unanimemente reconhecido bom trabalho ao colocar o clube na discussão de lugares que garantem provas europeias, feito atingido em 2013 com um 5º lugar. Repete o feito na época seguinte, superando-a com um 4º lugar.

 

No Sporting, consegue impor um bom processo ofensivo, dando mais preponderância no miolo a Adrien do que a William, por comparação com o seu antecessor. Conta nas alas com o recém chegado Nani, jogador de classe mundial depois da passagem pela Premier league, que se torna dono absoluto de uma das alas. Na outra aproveita para – finalmente! - lançar Carrillo para o que prometia na altura ser o início do estrelato.

 

Constatando que os supostos reforços do meio campo – Rosell e Slavchev – não passavam disso mesmo, suposições, recupera em Janeiro João Mário do empréstimo em Setúbal e integra-o com sucesso no plantel, com o papel de substituir Adrien ou William. Mais uma demosntração de aposta na Formação.

 

Na defesa, perde Eric Dier logo no início da época e também cedo percebe que Naby Sarr poderia ter outro nome próprio trocando apenas uma letra... Consegue um esboço de equilíbrio do sector quando aposta em Paulo Oliveira, recém chegado de Guimarães, tornando-o o "patrão" da defesa. Mais uma vez, a aposta nos activos que já estão presentes no Clube por detrimento de gastar milhões em apostas duvidosas.

 

Apesar de, em situações estranhas e por vezes caricatas, não ter tido um grande apoio da estrutura directiva, consegue conduzir o Clube à vitória na Taça de Portugal.

 

Jorge Jesus


Sai Marco Silva e entra Jorge Jesus. Já muito foi dito. Muito haverá ainda a dizer. Não é este o objectivo deste texto.


Treinador com carreira marcada sobretudo pelas vitórias no rival benfica, apesar do já longo trajecto como treinador iniciado em 1990 no Amora. 18 anos depois, após trajecto feito sempre em equipas de luta por permanência, chega a um projecto mais ambicioso no Braga. No Minho dá continuidade ao bom projecto iniciado anos antes por Jesualdo Ferreira, e que tinha tido ligeiro sobressalto após a sua saída em 2006.


A boa época em Braga abre-lhe as portas do benfica, onde entra com a habitual modéstia afirmando que consigo «os jogadores vão correr o dobro». Tem, de facto, um grande impacto inicial com nítidas melhorias em toda a movimentação da equipa, coleccionando algumas goleadas no primeiro terço da época e alvançando o título no final. Fica mais 5 épocas para além desta. Vence mais 2 Campeonatos, com preponderância bem mais reduzida e depois de perder o anterior de joelhos no porto. Tem uma política de gestão do plantel sempre caracterizada por contratações numerosas e caras e total desprezo pelas camadas de formação.


No Sporting, tal como tinha acontecido no rival, tem uma entrada com impacto no rendimento na equipa e com a sua habitual modéstia. Ao contrário do que tinha acontecido no rival, não vence o Título. E não o vence porque o treinador do rival, espicaçado por Jesus durante toda uma época, faz mais "um bocadinho assim".


No Sporting, tal como tinha acontecido no rival, lidera uma gestão de plantel orientada sobretudo para compras. Olha para a Formação, quando esta se torna tão óbvia que seria impossível não reconhecer qualidade e presença na equipa a Gélson Martins e Rúben Semedo.


No Sporting, tal como tinha acontecido no rival, leva já 40M€ em contratações e elevou a fasquia salarial para níveis que já ultrapassaram o último orçamento de Godinho Lopes. Entretanto, jogadores como Carlos Mané, Francisco Geraldes, Daniel Podence e Iuri Medeiros vão brilhando noutros palcos, por o seu lugar no palco de Alvalade estar ocupado pelos ofuscantes desempenhos de Markovic, Elias ou Alan Ruiz.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D