Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Sporting é a paixão que nos inspira. Não confundimos competência com cultos de personalidade. 110 anos de história de um clube que resiste a tudo e que merece o melhor e os melhores de todos nós. Sporting Sempre


14
Mar17

podence.png

 

Osvaldo Ardilles (1,69 m), Lionel Messi (1,68 m), Littbarski (1,68 m), Roberto Carlos (1,69 m), Zola (1,68m), Romário (1,67m) e ... Diego Maradona (1,65m).

O que têm em comum estes jogadores? Além de terem sido excelentes jogadores (dois deles ainda no activo), tinham todos eles menos de 1,70 m.
Normalmente a baixa estatura é entendida como um handicap para um jogador de futebol. Se estivermos a pensar em guarda-redes ou centrais e mesmo ponta-de-lança, embora neste último caso possam existir avançados letais sem presença física imponente (lembram-se de Liedson? – e ainda assim com 1,75m...), dificilmente imaginamos um jogador com grande eficácia nestas posições sem ter uma altura bem mais significativa.
Porém estes jogadores e o seu valor, provam que nem sempre é assim e que esta situação não deve ser encarada como uma fatalidade.
Neste momento, já os leitores perceberam onde quero chegar. Quem viu no sábado a exibição de mais um gigante, Podence, do alto do seu 1,65 m, não pode deixar de esboçar um sorriso de orelha a orelha de esperança que possa estar ali mais uma grande talento do futebol português e mais uma vez vindo da melhor escola de formação do País. Não a que é tão publicitada actualmente, embora claramente esteja a melhorar e localizada lá para os lados do Seixal, mas a de Alcochete, a do nosso Sporting. Claro que para chegar aos pés dos gigantes que mencionámos muito terá de evoluir e trabalhar, mas pelo menos estes exemplos representam a confirmação de que não será pela baixa estatura que Podence não poderá almejar mais altos voos.
Rapidez, técnica, posicionamento táctico, trabalho defensivo, assistências e passes bem medidos – que o diga Dost – tudo isso nos foi servido em Tondela, num repasto que já tardava em constar do menu frugal que temos tido esta época. Apesar de bem conseguida, não foi uma exibição de gala da equipa, mas constituiu uma portentosa apresentação de Daniel Podence.
Jogando pela primeira vez a titular da equipa principal, Podence soube aproveitar a oportunidade concedida para marcar a diferença e justificar mais oportunidades no futuro. Sim, porque a boa forma e o rendimento se atingem com os jogos, as rotinas com os colegas e o acumular de confiança.
Mas voltemos um pouco atrás para fazermos uma viagem pelo percurso deste pequeno grande jogador.
Daniel Podence, nasceu a 21 de Outubro de 1995 em Oeiras, dando início à sua carreira na época de 2002/2003, no Belenenses, onde permaneceria durante 3 temporadas até 2005, altura em que se transferiu para o Sporting Clube de Portugal. Nessa altura, foi também disputado pelo Benfica. Quando questionado sobre isto, Podence declara que foi a mesma coisa que “escolher entre carne ou peixe”. “Era miúdo e depois de ver tanto jogador do Sporting com qualidade… e verdade seja dita, os meus pais e os meus irmãos, como eu era muito novo, sempre me deram apoio para eu ir para o Sporting. Eu também simpatizava muito com o Sporting e isso foi meio caminho andado para lá."
Nas camadas jovens do Sporting, privou com vários jogadores, tais como Domingos Duarte, José Postiga, Mama Baldé e Rafael Barbosa. Foi campeão nacional de Junores B e de Juniores C. Posteriormente e já na equipa B, estaria com Illori e Dier, por exemplo. Na equipa B permaneceria 4 épocas, de 2012 a 2016, tendo ainda com Marco Silva conhecido a sua estreia pela equipa principal, onde alinhou num total de 6 jogos na época de 2014/2015. Depois de ter feito a pré-época de 2016/2017 com Jorge Jesus, acabou por ser emprestado ao Moreirense, juntamente com Francisco Geraldes de quem é grande amigo. Já neste clube viria a conquistar a Taça Liga na presente edição. Em Janeiro regressou ao Sporting tal como Geraldes. Ao contrário deste último que só agora teve os primeiros minutos, Podence tem tido mais oportunidades, ainda que só neste jogo tenha sido titular. A propósito deste regresso ao Sporting declararia: "Não posso encarar isto como uma coisa do outro mundo, é um patamar onde eu já queria estar há muito tempo. Tenho de olhar com naturalidade para tudo isto e mais virá com o tempo".
Este extremo esquerdo, que também pode jogar à direita e em apoio ao ponta-de-lança, tem na velocidade uma dos seus principais atributos, ele que se considera também critativo e explosivo, comparando-se a Gelson e Matheus. Não se tem distinguido propriamente pelos golos que marca, mas mais pelo que contribui para a manobra colectiva.

Ainda em relação ao jogo de Tondela, Podence publicou uma foto onde surge abraçado a Dost, quando festejaram o primeiro golo, nascido de um passe de Podence. Geraldes, seu companheiro de viagem, aproveitou para com bom humor lhe dizer: “Estás bem? Com essa altura deves ter vertigens!”, para logo depois acrescentar: “calma pessoal, a altura é inversamente proporcional ao seu talento”.
Para aqueles que lhe chamam o “Messi português” responde que Messi só há um e que prefere não se colar a rótulos, apenas deixar a sua marca, sendo ele próprio.
Depois desta auspiciosa estreia a titular, apenas se espera que Podence possa ter as oportunidades que outros têm tido, sobretudo quando são contratados em outros países e com custos de aquisição/empréstimo consideráveis. Tem a palavra Jorge Jesus...

 
 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)




Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D