Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Sporting é a paixão que nos inspira. Não confundimos competência com cultos de personalidade. 110 anos de história de um clube que resiste a tudo e que merece o melhor e os melhores de todos nós. Sporting Sempre


Coach.png

 

Quando se iniciou o mandato de BdC no Sporting, os pressupostos passavam por manter uma aposta na formação, que sempre foi a matriz do clube e em adequar o treinador aos princípios e interesse do Sporting. Este propósito foi aliás bem explícito no seu programa eleitoral:

 

BdC1.jpgBdC2.jpgBdC3.jpg

 

Para quem considera que foi a aposta na formação o que nos impediu de obter títulos, talvez fosse bom antes refletir quais os jogadores, com origem no Sporting, que mais se distinguiram no futebol e se vieram maioritariamente da formação ou de contratações... o problema do Sporting sempre foi, não a aposta na formação, mas a fraca qualidade da esmagadora maioria das contratações realizadas e o facto de não conseguir rentabilizar da melhor forma os talentos da formação no plano desportivo e financeiro. E isso, na verdade, mudou com esta Direcção, que não deixou sair precocemente os jogadores mais promissores da formação. Já na questão das contratações o desastre continuou com mais de 100 jogadores contratados e com muito poucos a justificarem a sua aquisição.

O primeiro treinador escolhido, Leonardo Jardim, encaixou que nem uma luva nesta filosofia, personificando um técnico competente, que gosta de trabalhar com jovens e de os desenvolver – veja-se o esplêndido trabalho que está a assinar no Mónaco – e que teve ainda o mérito de construir uma equipa competitiva e de baixo orçamento, erigida sobre os escombros da época em que ficámos em 7º lugar.
Infelizmente não ficou para nova época e após a sua saída, contratou-se Marco Silva e ao mesmo tempo, fez-se uma primeira alteração no paradigma do Sporting. Apostou-se em jogadores jovens, mas na grande maioria estrangeiros, alguns ainda assim com custos de aquisição a rondar os 2-4 milhões de euros na expectativa de que se viessem a desenvolver e a valorizar. Passados 2 anos já decorreu tempo suficiente para podermos concluir que dificilmente algum deles virá a dar mais-valia financeira ou desportiva ao Sporting. Nesta segunda época e sem ainda existir qualquer estrutura organizada para o futebol digna desse nome, achou-se que o treinador não devia ter qualquer voto nas aquisições, as quais, pelo que se sabe, foram decididas por Bruno de Carvalho e Inácio, pedindo-se ao treinador que apresentasse uma equipa competitiva com base nas mesmas. Mesmo com lacunas evidentes, como foi o caso dos centrais (recorde-se que fomos jogar à Luz com Sarr e Maurício por exemplo) e em outros sectores, achou-se que foi o treinador quem não rentabilizou de forma devida os jogadores contratados, que se acreditava possuirem assim elevado potencial.


Embora não o admitindo publicamente, é lícito supor que a Direcção percebeu o erro cometido na composição do plantel nessa época e ao contratar Jorge Jesus, um treinador que era acusado justamente de não apostar na formação no Benfica, mudou-se a filosofia ainda mais radicalmente. Por um lado porque o treinador gosta de ter voz activa em tudo o que se relaciona com o futebol e por outro porque o Sporting não tinha estrutura alguma preparada para esse efeito. Assim foi Jorge Jesus que ficou não apenas como treinador, mas como responsável pelo scouting e pela decisão das contratações. Entretanto e ao que parece a pedido de JJ, foram também recrutados Octávio e Manuel Fernandes (que tinha sido dispensado do clube no início deste mandato) cujo papel e funções no Sporting actual são muito pouco claros. Já no Benfica tinha algum papel nessa escolha, mas nunca com a liberdade e poderes que passou a ter no Sporting. Ainda assim, as contratações da época passada tiveram algum aproveitamento, como foram os casos de Bryan Ruiz, Bruno César, Teo Gutierrez (pelo menos enquanto quis jogar), João Pereira e Naldo. Claro que existiram flops como Aquilani, Barcos (!), entre outros, mas o saldo até foi positivo. E ainda se deu oportunidade a jovens da formação como Rúben Semedo (embora por necessidade devido à falta de centrais fiáveis) e Gelson, por exemplo.


À entrada para esta época, Bruno de Carvalho decide prolongar o contrato do treinador Jorge Jesus, facto que deverá ter comportado novo aumento de ordenado em relação ao anterior, o qual era já de 5M/ano, tal como divulgado pelo site Football Leaks. Ficou a ganhar no mínimo 6M/ano (há quem fale de 8M...) e isso tem como consequência, que se o Sporting pensar em o despedir, tenha de lhe pagar os ordenados que faltam para o resto do contrato, o que poderá totalizar de 15-20M de euros. Nunca o clube esteve desta forma amarrado a um treinador. Uma aposta arriscadíssima que diminui o campo de manobra desta Direção e da próxima, seja com este ou outro presidente. Para agravar tudo isto, a aposta nas aquisições desta época, constituíu um rotundo fracasso, muitas delas de custo elevado e sem mais uma vez se colmatar a principal lacuna que são os laterais, o que ainda continua por fazer e se agravou ainda mais, com a saída recente de João Pereira. Dos atletas contratados, apenas se revelaram verdadeiros reforços Dost, Beto e Campbell (empréstimo). Entretanto dispensaram-se vários dos nossos jovens que ficaram tapados pelas contratações que afinal nada acrescentaram à equipa. Pelos vistos, agora vai tentar emendar-se a mão no tal falado emagrecimento do plantel…


Mas voltando ao tema do post… deve o treinador enquadrar-se na estrutura ou o treinador é que deve decidir tudo na estrutura? Como todos nos recordamos, o Porto alicerçou o seu domínio no futebol português numa estrutura fortíssima, com contratações baratas e de jogadores talentosos que depois eram bem rentabilizados, algo que era facilitado pela boa carreira da equipa interna e externamente. Além disso, o factor arbitragens era mais que favorável aos interesses dos portistas e tudo funcionou a contento durante 3 décadas. Chegava a dizer-se que qualquer treinador chegaria ao Porto e arriscava-se a ser campeão. E era verdade. Mais recentemente, o Benfica, depois de uma primeira vitória de JJ, começou a ser cada vez mais influente nos órgãos de decisão, quer em termos de arbitragem quer na Federação. Tanto assim foi, que se começou a falar em "colinho". E mesmo depois de JJ sair, Rui Vitória continuou a ganhar e pôde mesmo rentabilizar alguns jovens da formação. Este treinador encontra-se assim inserido numa estrutura ganhadora e eficaz, que além da influência que tem nos órgãos de decisão, passa uma mensagem única e forte aos media, ataca de forma impiedosa e selectiva os rivais e sobretudo o Sporting, o qual apenas responde no Facebook pelo presidente ou por Nuno Saraiva ou ainda em blogs afetos ao clube, de forma desorganizada e pouco eficaz. Ou seja, mais uma vez há no rival uma estrutura forte e que, embora dê todas as condições ao treinador para triunfar, está bem para lá dele. No nosso caso... preferimos alguma histeria e falta de selectividade na resposta que damos ao rival, ficando até sobre o Sporting e os seus dirigentes o ónus de serem os incendiários e os provocadores e não exercemos qualquer influência nos órgãos que verdadeiramente são determinantes no futebol português.


Portanto, é fundamental ter uma estrutura coesa e sólida. E o que se entende por estrutura? Um todo organizado com papéis bem definidos e articulados entre Presidente, Comunicação, treinador, scouting, relações com empresários e outros clubes, lobbying junto dos órgãos de decisão e da Comunicação Social. Para além disso, a estrutura forte sobrevive facilmente ao treinador, aquela em que o treinador é o único decisor desaparece ou com o seu falhanço ou saída.
Urge pois repensar todo o modelo do futebol e posicionamento do Sporting no panorama nacional. Algo que não foi feito do melhor modo em 4 anos de mandato, que até deu sinais de ter piorado com o desgaste da imagem e do discurso do presidente e que terá obrigatoriamente de ser feito pelo próximo presidente do Sporting, seja ele o actual ou corporizado numa alternativa. Infelizmente este desiderato encontra-se bastante dificultado pelo contrato ainda em vigor com este treinador, ao qual foram conferidos poderes muito alargados e que está escudado por uma indemnização pornográfica.

Autoria e outros dados (tags, etc)


editado por Ivaylo a 25/2/17 às 12:03


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.01.2017 às 08:23

"passa uma mensagem única e forte aos media, ataca de forma impiedosa e selectiva os rivais e sobretudo o Sporting, o qual apenas responde no Facebook pelo presidente ou por Nuno Saraiva ou ainda em blogs afetos ao clube, de forma desorganizada e pouco eficaz."

Mas está a falar para Sportinguistas ou para vascos!?

Só pode estar a falar para vascos!

Mas houve alguém que tenha utilizado mais a propaganda, os média, a internet, a falácia, a mentira que esta gente na história do desporto português!?

Tem estado em Portugal!?

É que parece que não!

Sabe quantas entrevistas já deu o mitomano!?
Quantas vezes já falou aos jornalistas!?

O Benfica só começou a responder muito depois, e em muito menor quantidade que a máquina de propaganda do mitomano, além disso quase sempre assertivamente, ao contrário do mitomano e a maralha que o acompanha que é através de suspeições, mentiras, meias verdades, e demais retórica manipulativa.

Primeiro foram os do norte a serem o alvo preferencial do mitomano, mas como não lhe passaram cartucho, mudou de estratégia.

Imagem de perfil

De Krassimir a 26.01.2017 às 11:54

Peço desculpa, mas acho que devia ler com mais atenção o post. Quando falo de uma mensagem única, eficaz e que tem visado o Sporting, estou a "elogiar" (e com muita pena minha) o que o rival faz. Em vez de uma "estrutura" amadora como nós temos, no caso do benfica, todos sabem bem qual o seu papel e como o devem fazer ao serviço dos interesses do clube. Seja ele João Gabriel, Pedro Guerra e Hugo Gil (por muito desprezíveis que sejam). Além de que conseguem que o Sporting por incompetência própria, fique com a imagem de ser o provocador e que usa linguagem incendiária. E obviamente que o rival tem muito melhor relação com a CS. Porque a soube construir e cultivar...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.01.2017 às 12:32

O Benfica não passa essa imagem, porque essa imagem é uma realidade, não é nenhuma construção propagandística.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D