Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Sporting é a paixão que nos inspira. Não confundimos competência com cultos de personalidade. 110 anos de história de um clube que resiste a tudo e que merece o melhor e os melhores de todos nós. Sporting Sempre

15
Fev17

20170215.jpg

 

Segundo a Bíblia, a verdadeira (não confundir com o jornal A Bola), sensivelmente em 30 D.C. terá ocorrido o julgamento de Jesus Cristo. No decorrer do mesmo Pilatos, que não tinha ficado convencido da culpa do acusado mas estava pressionado pela multidão, decide dar o poder de escolha entre a vida de dois acusados – Jesus e Barrabás – sobre qual seria libertado e qual seria crucificado. O assassino foi libertado, Jesus crucificado. Naquele momento a multidão pensava-se dona da razão, achava que era melhor dar outra oportunidade a um ladrão e assassino do que a alguém que pregava a paz. Convencidos da sua legitimidade, naquele momento eles foram felizes.

 

Galileu Galilei, nascido em Itália em 1564, foi um conhecido físico, matemático, astrónomo e filósofo. Pertencem-lhe descobertas nas áreas de Movimento Uniformemente Acelerado, Movimento do Pêndulo, Leis dos Corpos, Princípio da Inércia, manchas solares, montanhas na Lua, fases de Vénus, satélites de Jupíter, aneis de Saturno, Método Científico e Heliocentrismo. Este último valeu-lhe, não um Prémio Nobel, mas um julgamento pela Santa Inquisição – Tribunal religioso responsável por atrocidades e recuo civilizacional. A Inquisição teve um grande acolhimento popular na época, sobretudo por dois motivos. O medo. Os "espectáculos" públicos de execução das bárbaras sentenças. Nos designados Autos de Fé, as multidões exultavam quando as cabeças rolavam e os chicotes os ares agitavam. Naquele momento achavam que os castigados eram horríveis criminosos e que as suas vidas ficariam melhores por eles desaparecerem. Convencidos do céu e do inferno, naquele momento eles foram felizes.

 

Em 1933 Adolf Hitler chega ao poder numa Alemanha em escombros depois da I Grande Guerra. Cria o Ministério do Reich, cuja liderança ficaria a cargo de Joseph Goebbels, com o objectivo de difundir a propaganda do regime através de arte, música, cinema e literatura. Dessa forma iniciaram uma imagem negativa do povo Judeu, entre outras mensagens necessárias à aceitação do regime, conseguindo assim que no momento em que judeus começaram a entrar em comboios para iniciar viagens só de ida muitos alemães aplaudiam nas estações. Convencidos da sua ideologia, naquele momento eles foram felizes.

 

Em 1981 é eleito o Jorge.

 

Em 1983 torna-se de conhecimento geral o escândalo financeiro "Dona Branca". Através de um bem aplicado "esquema em pirâmide", alicerçado na oferta de juros bastante mais elevados que os practicados pela Banca "legítima", consegue Maria Branca dos Santos manter uma lucrativa fraude ao longo de mais de 30 anos. Tal como no BPN, tal como no BPP, tal como no BES, tal como... tantas e tantas outras vigarices ao longo da História, o sucesso de Dona Branca foi garantido pela "ganância chica-esperta" de pessoas convencidas de terem encontrado uma mina de ouro. Convencidos do seu "olho para o negócio", naquele momento eles foram felizes.

 

Em 2003 é eleito o Luís.

 

Em 2005 é eleito o José.

 

Em 2013 é eleito o Bruno.

 

Em 2016 é eleito o Donald.

 

Tivessem tido consciência, anos mais tarde, que tinham dado a oportunidade a Barrabás de continuar a matar e a roubar, aquelas pessoas já não seriam tão felizes. No mesmo cenário, os que tinham aplaudido a tortura e execução levadas a cabo pela Inquisição, cujo grande número de vítimas mais não foram do que pessoas a tentar melhorar a vida das primeiras, perderiam também o esgar de felicidade do rosto. Nem comento o que é hoje a consciência alemã relativamente ao Holocausto...

 

Tivessem tido todos, naquele momento, menos preocupação com a felicidade efémera e egoísta, tivessem eles tido a oportunidade de consultar o Google... provavelmente os factos históricos seriam diferentes. Da negligência do acesso à informação não os podemos culpar, apenas de não se terem valido um pouco mais dos seus valores e menos do que lhes era propagandeado. Hoje? Está à distância de dois clicks. Basta querer. Basta pensar!

 

«A minoria pode ter razão, a maioria está sempre errada.» Henrik Ibsen

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

14
Fev17

1.jpg

 

Depois de um primeiro contributo de um leitor, ficamos muito honrados e agradecidos com nova participação do Rui. Mais uma vez, pela pertinência e qualidade da mensagem achamos que merece ser lida por todos.

 

«Mas o Sporting somos nós!


Isto não é ser líder. Isto não é querer servir o clube. Isto é estar dependente do SCP. Um líder coloca-se à disposição dos seus. Assume erros. Assume derrotas. Assume insucessos. Permite vozes discordantes. Permite críticas. Costumo dizer que devemos ser brutalmente críticos uns com os outros. Devemos ser honestos. Só assim podemos aprender com as críticas e opiniões de outros. Não gosto de "Yes Men". Gosto de boas discussões. Muitas vezes acesas. Da discussão nascem novas ideias, novos caminhos, novos rumos. Não o rumo que não é certo. Deixemo-nos de hipocrisias.


Isto é tudo o que não deve ser um presidente de uma instituição como o SCP. Este deve ser desprendido de cargos. Deve orgulhar-se de servir não pelo vencimento. O que não significa que não tenha. Claro que tem de ter. Claro que deve ser adequado às funções que exerce que são de grande responsabilidade. Claro que tem de ser alto. Já não digo tão alto como um funcionário. Mas quem manda no clube? Um seu funcionário?


Não pelo estatuto, não pelo lugar, não pela honra, não por sentimentos egoístas mas por sentimento de altruísmo pelo clube. Colocar o clube acima dos seus próprios interesses. Por muito alto e confortável que seja o vencimento. Por muito bom, cómodo, mediático, popular e gratificante que seja este lugar. Por muito satisfatório que seja o emprego. Por muitas dificuldades que tenha em encontrar outro.


O presidente do SCP coloca-se como imprescindível ao clube. O clube seria muito pequeno se dependesse apenas de uma pessoa. Tamanha falácia a de salvador do clube. Um clube como o Sporting não depende de ninguém, nunca dependeu só de um, depende de todos, de todos os sócios e adeptos, de crianças, adultos e idosos, de mulheres, de jovens, de betinhos ou menos, de fanáticos ou menos, de facciosos ou menos facciosos, de populares ou menos, de elitistas ou menos, de croquetes, roquetes ou de Zés dos Tachos. Mas dos que forem bons, competentes. Dos que servirem o clube. Não dos que se sirvam deste.


«Dão cabo de mim?» Quem? Todos queremos o bem do SCP. Ninguém lhe quer mal.
O SCP não depende do seu presidente, Sr. Presidente. Depende de uma equipa. Depende de todos. Nós todos. Queremos o seu bem quando o bem for o nosso Sporting. E se não estiver bem não significa que lhe queiramos mal. Não é vítima. É um de nós. Também sofremos, também temos família, também temos filhos, também queremos vencer. Também gostávamos de ter bons empregos com o seu vencimento. Também hipotecamos todas as possibilidades de ter empregos melhores em discussões parvas e irracionais em blogues estúpidos. Todos. Não mais uns do que outros. Pelo nosso Sporting e sem vencimento discutimos e damos o corpo às balas contra pessoas sem rosto. Porque não dar o rosto? Porque se escondem?


Também o presidente pode ser emocional sim. Não irracional. Pode cometer erros. Mas não tantos. Como este. Porque também tem um vencimento, porque tem essa responsabilidade. Não todos os outros como nós. Pode simplesmente servir, tentar unir o que está partido há muito, tentar galvanizar, tentar inspirar, tentar ser exemplo. Onde está o exemplo?
Um líder não se assume como tal. Um líder só o é se os seus seguidores o disserem que é. Se for reconhecido por estes como tal. Pode ser presidente sim. Pode ser a figura máxima do clube sim. Não o seu líder.


O Sporting somos nós. Não é só o seu presidente. Não será outro presidente. Qualquer que seja. Muito bom ou excelente. O Sporting somos todos juntos. O Sporting é eterno. O Sporting está primeiro do que eles.


O Sporting somos todos nós.


E o Sporting não vai cair.


Quem for que caia.
»

 

Rui Franco

Autoria e outros dados (tags, etc)

09
Fev17

1b (1).jpeg

 

Tivémos ontem, através do Facebook, uma participação de um leitor que merece ser partilhada aqui. Obrigado caro Rui! A participação é um factor muito importante em Democracia.

 

«Confesso que não conheço na totalidade a história do nosso grande clube.

Uma história com 110 anos é uma grande história. São muitas as pessoas e os factos que fizeram deste nosso clube o que é hoje (o que foi?).

Há muito que não vivia um período como este. Um período de revolta, de ódio, também de culpa, de responsabilidade. Também de esperança. Muita esperança.

Sentimento de culpa por não ter acompanhado com maior proximidade ao longo dos anos a vida do clube que tive a honra e orgulho de representar, ainda adolescente, em 2 dos anos mais felizes da minha vida. Mas não sou mais do que outros adeptos ou sócios. Sou um deles.

Adepto fervoroso e entusiasta sempre (ou quase sempre). Também crítico. Nunca afastado.

"Quase sempre entusiasta". A excepção: o período "pós" Marco Silva.

Desde que fomos receber a equipa após a vitória no Amor não mais voltei a Alvalade com os meus filhos. Culpa, remorsos por não lhes proporcionar momentos de convívio em família juntos dos nossos. De um dos nossos grandes amores.

Mas não consigo separar as águas. Sou humano. Estou ferido. Não sou perfeito. Não posso com aquelas figuras. Desculpem. Não tenho memória curta do que fizeram e disseram ambos no passado. Nunca me identifiquei com Jorge Jesus e Bruno de Carvalho perdeu toda consideração e beneficio de duvida quando tomou uma decisão que, tal como José Manuel Delgado escreveu, terá sido das mais "lamentáveis, indignas, ingratas e injustas que tenho memória no mundo do futebol".

Mas não foi só Marco Silva. Quem nos dera que tivesse sido só. Tanta coisa. Tanta merda, desculpem. Tantos disparates.

A falácia. Não falem de bancarrota ou de falência. Do Salvador do clube. A maior falácia que ouço e que precisa de ser rapidamente desmistificada. Não conheço, na história do futebol mundial, um clube que, com mais de 100 anos, tenha deixado de existir. Posso estar errado. Mas digam-me um. Apenas um. Que tenha fechado portas.

O SCP é demasiado grande para deixar de existir. Estava em graves dificuldades financeiras? Sim. Estava. Muitos erros de direcções anteriores. Sim bastantes. Mérito do actual presidente nesse período? Sim. Muito. É reconhecido. Até pela oposição.

Neste momento invade-me uma esperança que me incentiva a conhecer melhor a história do nosso clube.

O Sporting não pode ser só isto. Godinho Lopes cometeu erros graves. Sim. Mas julgar todo um passado pelo que fez a anterior direcção é ignorar a contribuição de pessoas menos ou mais ilustres que contribuíram ao longo de mais de 110 anos para que o Sporting chegasse ao patamar que chegou.

Ao pegar nessa história, tão rica em factos, deparo-me com um Carneiro. O Sporting foi fundado sem nome. Alberto Lamarrão e Carlos Carneiro sugeriram a palavra Sporting a José Alvalade que a aceitou.

Confesso que desconheço o porquê do impropério Carneiro. Ingenuidade minha? Mas identifico-me com ele. Por esta história.

Quero mais do Sporting. O Sporting não pode ser só isto. O Sporting não pode ser apenas os os discursos e retórica dos Dolbeth e Pinas. Não estes os exemplos e modelos de pessoas que quero para os meus filhos.

Quero gente séria. Quero gente com garra, com princípios, com dignidade para representar um clube como o SCP, quero gente que contribua positivamente para o desporto e o futebol sem o desprestigiar o que não significa que não defenda o clube com intransigência. O que também pode ser feito com elevação ou com murros na mesa sem ser corriqueiro e brejeiro.

A vida, o Desporto, o Futebol não são guerras.

Por fim quero vitórias. Não as morais. Não aquelas que são derrotas por árbitros, culpa de rivais ou pelo desgraçado do Palhinha.

Vitórias sem dignidade? Prefiro perder. Por muitos. Prefiro ser pobre. Prefiro ser humilde.

Prefiro ser digno do nome que o Carneiro sugeriu e do qual me orgulhei sempre. Não agora.

Quero mais.

Mais do que isto»

 

Rui Franco

Autoria e outros dados (tags, etc)

07
Fev17

fall_for_dalton_brothers_by_andy_mornifle-d808avn.

 

 

Hoje, dia 7 de Fevereiro de 2017, o Sporting vai para quase quinze anos sem vencer um campeonato, com poucos títulos internos nestes anos passados, com eternos problemas internos de liderança, com problemas financeiros, com erros graves de gestão, com tantas asneiras que se abriu a possibilidade a um ilustre desconhecido tomar o poder.

Bruno de Carvalho está no seu quarto ano de mandato. E tudo continua na mesma, ou numa visão financeira, pior. Estamos mais dependentes de terceiros, temos menos percentagem da nossa SAD, o nosso passivo aumenta a olhos vistos, o investimento é cada vez maior e o retorno, seja ele em vendas seja em títulos é praticamente nulo.

Ora, não é necessário tirar um curso de gestão ou um MBA para entender que de onde se tira e não se coloca, algum dia irá faltar, e não existirá onde ir buscar para tapar o buraco.

Hoje, dia 7 de Fevereiro de 2017, a menos de um mês das eleições no Sporting, dois candidatos pouco esclarecem e nada apresentam de soluções.

Não há uma única proposta de rutura. E no caso da Candidatura de Bruno de Carvalho, é ainda mais assustador assistir ao regresso de figuras do passado recente tão violentamente criticados pelo atual Presidente. Eram “estes” o “cancro” do Sporting. Pois bem, como é hábito, as metástases espalham-se e dificilmente conseguem ser eliminadas. E neste caso até se abraçam com a “cura”, apesar de o problema continuar bem visível e a alastrar abruptamente por todo o universo Sporting.

Ora avaliando o estado do Clube, olhando para os péssimos resultados desportivos, para os miseráveis resultados financeiros, para o estado da nossa Formação, para o tom e a forma como Bruno de Carvalho lidera, a questão que se coloca é: Porque desistiu Mário Patrício? Porque não avançou já Benedito? Ganhariam estas eleições, e não sou eu que o digo, é a bancada leonina que não quer Bruno de Carvalho.

Quando olhamos para a Comissão de Honra de Bruno de Carvalho, e conhecendo nós os apoiantes dos Candidatos a Candidatos que nunca o foram e desistiram, começo a ter a certeza que há uma estratégia na sombra, ou melhor, e ao estilo Hollywood, uma golpada.

Ora vejamos, Ricciardi está sempre com quem está no poder. Hoje gosta do Bruno, amanhã tratará de o dizimar. Isso é uma certeza como a fome. Pedro Baltazar quer o poder, Froes quer o poder, Mário Patrício quer o poder, Godinho quer a sua “vendetta”, entre tantos outros ilustres, onde se poderá encontrar Alvaro Sobrinho e Mosquito, grandes “amigos” dos cofres verdes e brancos.

Bruno de Carvalho está a ser dizimado por dentro. A esta equipa apresentada falta somente Carlos Barbosa e Nobre Guedes para se afirmar o passado recente que Bruno prometeu “limpar”. Pois bem, que maior afirmação de fracasso que se ver obrigado a “readmitir” toda esta gente? E que maior afirmação de liderança marioneta que tudo isto?

Bruno não será vencido na urna, cairá sozinho, em desgraça, acabando com um falso mito. E merece cair assim. Um vendedor de banha da cobra que engana, processa, insulta os Sócios que lhe pagam o ordenado e lhe permitem viajar e passear em família e com namoradas por este mundo fora.

Bruno auto-injetou-se com o vírus. A cura não existe. Querem destruí-lo. Mas quem deixou a ferida exposta foi o próprio Bruno. E não se preocupou nunca em cura-la, mas sim em alastrar o fosso e a promover uma divisão e uma guerrilha que nunca poderia ganhar.

Bruno é um pobre diabo. Sem credibilidade perante a banca, sem credibilidade perante as empresas, sem voz nem poder em lado algum. E na sua ignorância e redução à realidade, não é de espantar preferir o banco à bancada presidencial. Pois no banco junto ao relvado está ao seu nível, na cadeira dos negócios é um pobre rapaz, sem propósitos e sem capacidade de envolvimento e visão.

Bruno acabou. Tem os dias contados. E uma vez mais, quem pagará tudo isto é o Sporting.

Mantenham-se atentos, pois o golpe está em marcha, e a perda da SAD é cada vez mais uma realidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)


editado por Ivaylo a 25/2/17 às 11:51

1c.jpg

 

Caros leitores, após algumas críticas relativamente ao facto de os comentários neste blog serem moderados, cumpre-nos esclarecer três pontos.

 

Os comentários são moderados para permitir filtrar conteúdos menos próprios – insultos. E não o são por uma excessiva sensibilidade por parte dos autores, uma vez que nos dias correntes a elevação é uma prática um pouco démodé… São-no por não pretendermos que outros potenciais leitores sejam expostos a algum tipo de linguagem. Até porque pretendemos chegar a todos e a todas as idades.

 

Por vezes poderá ocorrer alguma demora na aprovação dos mesmos? É um facto. Gostaríamos de estar permanentemente atentos, mas as respectivas obrigações profissionais impedem-no. Mas sempre que um dos autores acede ao blog, essa é uma das primeiras preocupações.

 

Esclarecido o critério, reiteramos que todas as participações, concordantes ou não, são e serão sempre bem-vindas. Tentaremos sempre responder a todos. Quando duas pessoas trocam uma ideia, ambas saem mais ricas do “confronto”.

 

Saudações Leoninas

Autoria e outros dados (tags, etc)



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D